John Caulfield: 'Se están creando las condiciones en Cuba para un nuevo éxodo masivo'

"Las tensiones sociales y económicas actuales dentro de Cuba, combinadas con el aumento ...

Brasil: Bolsonaro pide al banco de fomento aclarar los préstamos otorgados a La Habana y Caracas

El presidente de Brasil, el derechista Jair Bolsonaro, pidió que el Banco Nacional de Desarrollo ...

'Fondos presuntamente malversados eran de donaciones': Guaidó

El líder opositor venezolano Juan Guaidó afirmó este lunes que fondos presuntamente ...

Trump se lanza oficialmente a reelección

El Donald Trump del 2020 será muy parecido al Donald Trump del ...

Senado aprova derrubar decretos de Bolsonaro que flexibilizam porte de armas

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (18), por 47 votos a ...

Notícias: Brasil
Lula compara libertação dos presos políticos cubanos à sua própria durante a ditadura PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 14 de Julio de 2010 19:46

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez nesta quarta-feira, 14, uma comparação entre a recente libertação dos presos políticos de Cuba com a sua saída da cadeia durante a Ditadura Militar.

"Fiquei feliz (com a liberação dos cubanos) como fiquei feliz quando fui solto da cadeia", acrescentando que no dia de sua liberação aproveitou para soltar um pássaro preto que possuía e que estava numa gaiola. Ele fez este comentário durante assinatura de acordos bilaterais entre Brasil e União Europeia, realizada no Itamaraty em Brasília.

Última actualización el Lunes, 19 de Julio de 2010 11:26
 
Jornalista libertado em Cuba diz em Espanha que exílio é continuação da luta PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 13 de Julio de 2010 21:30

"Para nós, o exílio é uma continuação da luta, e pode-se lutar de muitas formas."

Os sete primeiros presos políticos libertados pelo governo cubano chegaram, com suas famílias, à Espanha nesta terça-feira (13). Entre eles está o correspondente da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), Ricardo González Alfonso, segundo a BBC.
O grupo faz parte dos 52 prisioneiros que o governo cubano decidiu libertar após um acordo firmado com a Igreja Católica e diplomatas espanhóis. Os demais devem ser soltos nos próximos quatro meses.

Em nome de seus companheiros, Alfonso leu um comunicado no aeroporto de Madri. "Somos o início de um caminho que pode ser o começo de uma mudança para o país".

"Para nós, o exílio é uma continuação da luta, e pode-se lutar de muitas formas."

"Esperamos que aqueles que permanecem em Cuba tenham a mesma liberdade que temos", disse o jornalista.

A mulher de Alfonso, Álida Viso Bello, ainda disse que uma das primeiras coisas que eles querem fazer é uma longa caminhada juntos.

A libertação dos prisioneiros era uma das exigências para que o jornalista dissidente Guillermo Fariñas abandonasse a greve de fome que durou 135 dias. Com o anúncio da liberdade dos primeiros presos, Fariñas encerrou o protesto na última quinta-feira (8).

Última actualización el Lunes, 19 de Julio de 2010 11:29
 
Chanceler espanhol de visita em Cuba para tentar liberacões de presos políticos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 06 de Julio de 2010 11:01


O chanceler espanhol, Miguel Ángel Moratinos, partiu ontem para Cuba para ajudar na negociação entre a Igreja e Havana para a libertação dos presos políticos da ilha. A visita ocorre em um clima de apreensão. Em greve de fome há 132 dias para pedir a libertação de 25 presos políticos que estão doentes, o jornalista dissidente Guillermo Fariñas pode morrer a qualquer momento, segundo médicos cubanos. Há dois dias, a imprensa oficial da ilha divulgou que ele teria um coágulo perto da jugular.

"Estou consciente de que minha morte está próxima e os únicos responsáveis são os irmãos Fidel e Raúl Castro", disse Fariñas em uma carta divulgada pela internet ontem. O dissidente rejeitou sair de Cuba para receber tratamento - o governo espanhol fez uma oferta a ele em março. "Quero morrer em minha pátria, no nariz dos ditadores."

Segundo a Comissão Cubana de Direitos Humanos, há 167 presos políticos na ilha. Elizardo Sánchez, presidente da comissão, acredita haver uma "alta probabilidade de o governo liberar de 30 a 40 presos políticos nas próximas semanas" por causa da pressão internacional. Mas muitos analistas são céticos. Moratinos ficará em Cuba até amanhã.

Para facilitar as negociações, o Chile ofereceu-se ontem para receber os presos políticos cubanos.



Última actualización el Martes, 06 de Julio de 2010 11:05
 
Brasil teve "atuação" discreta na libertação dos presos de Cuba, diz Amorim (?!) PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 11 de Julio de 2010 13:02

O ministro Celso Amorim (Relações Exteriores) afirmou nesta sexta-feira que o Brasil teve uma atuação "discreta" na decisão do governo cubano de libertar 52 dos 167 presos políticos do país até outubro. A decisão foi anunciada na quarta-feira, após a negociação de meses com a Igreja Católica.

Amorim, que acompanha o giro do presidente Lula à África, comemorou a decisão de Cuba e disse que "o Brasil age de maneira discreta" e, portanto, não precisa anunciar ter participado das negociações. Segundo Amorim, a Igreja Católica conseguiu atuar de maneira eficiente "sem ser acusada de ingerência".

O anúncio de Havana fez o dissidente cubano Guillermo Fariñas anunciar o fim da greve de fome que mantinha havia mais de quatro meses.

À tarde, também em Johannesburgo com o presidente Lula, o assessor especial Marco Aurélio Garcia afirmou que o Brasil sabia da iminência do anúncio. Se referindo à participação do chanceler espanhol, Miguel Ángel Moratinos, Garcia brincou que os espanhóis "pegaram carona" nas negociações.

"A bola caiu no pé deles e eles chutaram para dentro", disse.

Última actualización el Domingo, 11 de Julio de 2010 13:04
 
OEA comemora decisão de dissidente cubano de abandonar greve de fome PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 10 de Julio de 2010 11:26

Reprodução

WASHINGTON- O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, expressou nesta quinta-feira, 8, sua satisfação com o anúncio da libertação de 52 presos políticos cubanos e celebrou a decisão do dissidente Guillermo Farinas de abandonar a greve de fome.

O titular da OEA disse em comunicado que a decisão do governo cubano "é um passo positivo que abre caminho a uma mudança do clima interno que a ilha vive e leva a crer que vem havendo pontos de diálogo entre os cubanos".

Ele parabenizou as autoridades eclesiásticas cubanas pelo papel que exerceram nas negociações entre o presidente cubano, Raúl Castro, e o arcebispo de Havana, o cardeal Jaime Ortega.

Insulza também agradeceu ao ministro de Assuntos Exteriores espanhol, Miguel Ángel Moratinos, pela decisão de "fortalecer com sua presença a culminação deste bem-sucedido processo".

O secretário-geral da OEA já tinha qualificado na quarta-feira o anúncio da libertação de presos como uma "grande notícia", mas considerou "prematuro" prever mudanças da comunidade internacional em relação a Havana.

O dissidente cubano Guillermo Fariñas abandonou hoje a greve de fome que começou há mais de quatro meses diante do compromisso do governo de Raúl Castro de libertar 52 presos políticos, cinco dos quais serão libertados de forma iminente e viajarão à Espanha nos próximos dias.

EFE

Última actualización el Sábado, 10 de Julio de 2010 11:28
 
«InicioPrev741742743744745746747748749750PróximoFin»

Página 746 de 767