Exiliados proponen a Trump medidas para acabar de revertir la política hacia La Habana

La organización Inspire America Foundation, que aboga por el fin de la apertura ...

Colombia: Iván Duque: “de ninguna manera” invitaría a Nicolás Maduro o Raúl Castro a toma de posesió

En febrero pasado, el hoy presidente electo de Colombia, Iván Duque, sostuvo una ...

El Supremo de Ecuador vincula a Correa en el caso del secuestro de un exlegislador

La Corte Nacional de Justicia de Ecuador ordenó el lunes vincular al expresidente Rafael ...

España: Sánchez desvela su intención de no convocar elecciones hasta 2020

Pedro Sánchez desveló la noche del lunes, en su primera entrevista tras ...

Colômbia dá uma guinada à direita com eleição do conservador Iván Duque

O conservador Iván Duque, do Centro Democrático, será o novo presidente de Colômbia. O ...

Notícias: Brasil
A BLOGUERA CUBANA OPOSITORA YOANI SÁNCHEZ, FOI NOMEADA "HEROINA DA LIBERDADE DE IMPRENSA NO MUNDO" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 05 de Septiembre de 2010 12:13

VIENA — A mais célebre blogueira de Cuba, Yoani Sanchez, foi nomeada nesta sexta-feira "heroína da liberdade de imprensa no mundo" pelo Instituto International da Imprensa (IPI), por ter desafiado as restrições impostas à imprensa em seu país e ter defendido a liberdade da palavra.

"O trabalho extremamente importante de Sanchez nos dá uma ideia do que é um mundo fechado", declarou em comunicado Alison Bethel McKenzie, diretora do IPI, com sede em Viena.

Ela "representa um futuro no qual o poder da internet poderá ser utilizado para promover a liberdade de expressão".

Yoani Sanchez tomou, em 2007, a iniciativa de abrir um blog, Generation Y, que conta no momento com mais de um milhão de leitores. No entanto, o acesso ao site foi proibido em Cuba, em 2008.

Para remediar a situação, Sanchez envia seus comentários através de correio a amigos no exterior que os colocam na internet.

Em 2008, a célebre revista americana Time a classificou entre as cem pessoas mais influentes do planeta. Em 2009, seu blog foi citado como um dos 25 melhores do ano.

O IPI escolheu este ano oito "Heróis da liberdade de imprensa no mundo" no Sri Lanka, em Gâmbia, Turquia ou África do Sul, elevando a 60 o número de pessoas já contempladas, para celebrar seu 60º aniversário.

O instituto organizará seu congresso anual em Viena e em Bratislava entre os dias 11 e 14 de setembro.

Última actualización el Miércoles, 08 de Septiembre de 2010 10:45
 
O DITADOR CUBANO DIZ QUE "ESTAVA MORTO E RESSUSCITOU" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 30 de Agosto de 2010 20:49

Cidade do México, 30 ago Agências -- O ditador de Cuba Fidel Castro afirmou que, após a grave doença que o manteve convalescente durante quatro anos, e disse "haver estado morto", mas, "ressuscitou" num "mundo de loucos", numa entrevista ao diário mexicano La Jornada divulgada hoje.

O líder cubano deu uma entrevista de cinco horas à jornalista e diretora do jornal, Carmen Lira, a primeira a um órgão de comunicação estrangeiro desde a sua reaparição pública há cerca de 40 dias.

Última actualización el Viernes, 03 de Septiembre de 2010 20:36
 
Dissidência cubana critica igreja católica da ilha em carta a Bento XVI PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 25 de Agosto de 2010 09:48

HAVANA- Mais de cem dissidentes cubanos assinaram uma carta aberta ao papa Bento XVI criticando a gestão da igreja católica da ilha em um acordo para a libertação de presos políticos, gerando indignação do arcebispado cubano..

A carta ao Pontífice, que expressa o desgosto de alguns dissidentes em relação ao acordo que alcançou a libertação de 52 prisioneiros, dos quais 26 já foram libertados e enviados à Espanha, começou a circular nesta sexta-feira, 20.

"Não estamos de acordo com a postura que a hierarquia eclesiástica cubana teve me sua intervenção pelos presos políticos, ela é lamentável e embaraçosa", afirmou o texto.

"Uma correta mediação sobre o tema haveria implicado os pedidos de ambas as partes e os conciliado. No entanto, a solução de exílio, aceitada pelos que estão há sete anos injustamente presos somente por suas ideias, só beneficia a ditadura", acrescentou.

Firmada por vários irmãos do dissidente Orlando Zapata Tamayo, morto após 85 dias de greve de fome por melhores condições nas prisões, a carta acusou a igreja da ilha de dar "apoio político" às autoridades.

26 dos 52 presos na repressão de 2003 conhecida como Primavera Negra aceitaram viver na Espanha e já foram enviados ao país. O restante do grupo, que quer continuar morando na ilha, ainda espera sua libertação.

Após tomar conhecimento da carta aberta ao papa, a igreja cubana a considerou "ofensiva".

"Quando a Igreja aceitou a missão de ser mediadora entre os familiares dos presos ou Damas de Branco e as autoridades cubanas, sabia que esta mediação poderia ser interpretada das mais distintas maneiras e provocar diversas reações: desde o insulto a difamação, até a aceitação e o agradecimento", afirmou um comunicado enviado pelo diretor da revista do arcebispado de Havana, Orlando Márquez.

Segundo os religiosos, a instituição não apoia tendências políticas e muitos deles ficaram indignados com a carta dos dissidentes a Bento XVI.

O anúncio da libertação dos 52 dissidentes ocorreu no começo de julho após uma reunião do cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana, com o presidente Raúl Castro, mediada pelo chanceler espanhol, Miguel Angel Moratinos.

Última actualización el Miércoles, 25 de Agosto de 2010 09:52
 
FIDEL CASTRO ASSUMIU TER SIDO RESPONSÁVEL PELA PERSEGUIÇÃO DE HOMOSEXUAIS EM CUBA: "FORAM MOMENTOS DE UMA GRANDE INJUSTIÇA" DISSE PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 01 de Septiembre de 2010 00:56

O ex-ditador cubano Fidel Castro assumiu a culpa pela onda homofóbica empreendida por seu governo há quase cinco décadas, quando marginalizou os homossexuais e os enviou a campos de trabalho agrícolas forçados, acusando-os de serem "contrarrevolucionários", disse ele ao jornal mexicano "La Jornada".

Fidel afirmou, na segunda parte de uma entrevista publicada nesta terça-feira, que é o principal responsável pela perseguição aos homossexuais na ilha há 50 anos. Ele lamentou não ter corrigido essa falha por estar envolvido na defesa do país.

Última actualización el Domingo, 05 de Septiembre de 2010 12:17
 
Preso político cubano, Orlando Zapata, que morreu após greve de fome, ganha documentário PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 28 de Agosto de 2010 10:47

Miami, 27 ago (EFE).- A história do preso político cubano Orlando Zapata Tamayo, que morreu em fevereiro deste ano após 85 dias em greve de fome, ganhou um documentário de 57 minutos intitulado "¡Zapata vive!"

O filme mostra "o sacrifício de Tamayo e sua vontade de enfrentar o regime totalitário castrista", desafio que pagou com sua própria vida, disse à Agência Efe Pedro Corzo, co-produtor do documentário.

Zapata, que morreu aos 42 anos, "nasceu sob um regime totalitário, sem direitos nem liberdades", mas "tinha consciência" desses valores, segundo Corzo.

De acordo com o co-produtor do documentário, o filme mostra imagens de Zapata quando jovem, dos locais onde desenvolveu sua atividade política, assim como o testemunho de pessoas que sofreram junto com ele a privação da liberdade na oposição ao regime e por exigir o respeito aos direitos humanos.

Zapata Tamayo foi um dos 75 dissidentes condenados na primavera de 2003 a penas de até 28 anos de prisão. Foram muitas as vozes dentro e fora de Cuba que culparam o regime castrista por sua morte, lembrando o abandono em que esteve e as torturas às quais foi submetido.

A dissidência cubana assegurou que foi a privação de água durante 18 dias à qual foi submetido pelo regime que agravou seu estado de saúde e causou danos irreversíveis em um rim.

"Quando seu estado se agravou, o transferiram para um hospital de Havana, mas já era tarde", diz Corzo.

Com a greve de fome, Zapata reivindicava que fosse tratado como prisioneiro de consciência e que a libertação de presos políticos doentes.

O documentário, dirigido pelo cubano Wenceslao Cruz, inicia com a voz e imagens de Zapata Tamayo e de sua mãe, Reina Luisa Tamayo, que sofreu assédio e maus-tratos por parte das autoridades e grupos pró-governo por se negar a não denunciar que a morte de seu filho foi um assassinato.

O documentário contém gravações realizadas em Cuba, na Espanha e em várias cidades dos Estados Unidos.

Última actualización el Sábado, 28 de Agosto de 2010 10:49
 
«InicioPrev681682683684685686687688689690PróximoFin»

Página 681 de 706