Un grupo numerosos de Damas de Blanco consigue asistir a misa este domingo 20 de Agosto en varias ci

Casi medio centenar de activistas del movimiento opositor Damas de Blanco en La Habana, ...

López Obrador insiste ante Peña Nieto en que cancelará la reforma educativa actual

Hay momentos en la vida política en los que la escenificación de ...

La oposición venezolana llama a un paro nacional contra las medidas económicas del régimen

La oposición venezolana convocó a un paro nacional para el martes 21 de ...

Rusia vuelve sin tanques a Europa central

Checoslovaquia, el país que invadieron los tanques del Pacto Varsovia hace ahora ...

VIAGEM DE JUNGMANN À COLÔMBIA INDICA ARTICULAÇÃO CONTRA MADURO

Sob o pretexto de discutir a segurança nas fronteiras, Raul Jungmann vai ...

Artigos: Brasil
Os consertos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fuente indicada en la materia   
Martes, 26 de Enero de 2010 11:10

Por YONAI SÁNCHEZ

A vida doméstica impõe obrigações ingratas. A torneira da pia da cozinha goteja, a lâmpada da sala não acende, a chave da porta da frente mostra dificuldades e um mal dia, horror! Quebra a geladeira. Aterrorizados verificamos que a geladeira começa a gotejar e que o zumbido típico da máquina parou. Um conhecido nosso viveu uma tragédia dessa envergadura na semana passada.

Cedo pela manhã telefonou para a Unidade de Reparos Domésticos mais próxima, porém não respondiam ou dava tom de ocupado. Decidiu ir até lá e uma garota polia suas unhas meticulosamente. Contou, angustiado, a história do seu eletrodoméstico e descreveu os sintomas. Esteve a ponto de arriscar um diagnóstico inclusive, porém nesse momento ela o interrompeu avisando-lhe que certamente tratava-se do timer e o almoxarifado não tinha essa peça para reposição. Esclareceu-lhe que a oficina tinha uma lista de espera ocupada por um par de meses. Como homem inteligente, com experiência de vida, o cliente necessitado lhe formulou a pergunta correta no tom adequado: “Isso não pode ser resolvido de outra forma? A mulher deixou seu afazer de manicure e chamou um mecânico aos gritos.

Depois de acertarem o preço, todos ficaram satisfeitos. Ao meio dia o refrigerador havia voltado a funcionar e o técnico voltava para sua casa com o equivalente a quase dois meses do seu salário. Essa noite, meu conhecido, que é barman num hotel cinco estrelas, levou para seu trabalho várias garrafas de rum compradas no mercado negro. Com elas serviu seus primeiros mojitos e as apreciadas piñas coladas que os turistas beberam. Eles não suspeitavam que estavam ajudando desse modo a preencher o furo deixado pelo conserto da geladeira, o enorme rombo que o pressuposto de barman havia sofrido.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Última actualización el Martes, 02 de Febrero de 2010 10:40
 
Viva o populismo, só para variar PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fuente indicada en la materia   
Martes, 26 de Enero de 2010 11:17

Por CLÓVIS ROSSI

ZURIQUE - É impressionante a catarata de artigos, análises e declarações que atacam um suposto surto populista do presidente Barack Obama, só porque ele anunciou uma série de medidas destinadas a evitar os excessos que a banca pratica e que estiveram na origem da baita crise iniciada em 2007.

A maioria das análises usa a derrota do Partido Democrata na eleição para a vaga do senador Ted Kennedy em Massachusets, potencialmente catastrófica para Obama, como uma demonstração irrefutável de que o programa de controle dos bancos só pode ser populismo, porque atende, em um momento complicado, a cobrança (justa) do público pelo sangue dos gatos gordos da banca.

É bem possível, até provável, que Obama tenha de fato feito coincidir o "timing" do anúncio com o imediato pós-derrota. Isso é populismo ou é apenas política? Queriam o quê? Que Obama ficasse sentado na Casa Branca, esperando que sua Presidência fosse limada? Aí, seria acusado de molenga, indeciso, o diabo.

Quanto ao populismo, primeiro é bom dizer que esse rótulo passou a ser maldito a partir do momento em que se impôs ao mundo o tal "pensamento único", neoliberal, como se queira chamar o receituário hegemônico.

Mas, muitas vezes, atos apontados como populistas não passam de ações populares. Caso típico da regulação da banca, setor que nunca foi o mais amado pelo público e, agora, menos ainda (e há inúmeras razões para tanto, não?).

Segundo, é preciso dizer que Obama não inventou nada nas suas propostas nem elas são apenas o atendimento ao desejo de sangue do público.

Basta reproduzir a nota oficial do Conselho de Estabilidade Financeira: "As propostas anunciadas pelos Estados Unidos estão entre o leque de opções e enfoque sob consideração pelo Conselho de Estabilidade Financeira em seu trabalho para enfrentar os riscos colocados pelas instituições [ditas] grandes demais para quebrar".

O que é o Conselho: foi criado [pelo G20] para coordenar, no plano internacional, o trabalho de autoridades financeiras nacionais e os corpos internacionais de estabelecimento de normas e para desenvolver e promover a implementação de políticas eficazes de regulação, supervisão e outras políticas para o setor financeiro.

Seus membros são predominantemente altos funcionários dos Bancos Centrais das economias relevantes, Brasil inclusive. Bancos Centrais são o antônimo exato de populismo. Alguém aí acha que Henrique Meirelles é populista?

Portanto, Obama não está fazendo nada que fuja aos padrões que o establishment internacional não tenha já discutido e ao menos em parte sugerido.

Por que, então, há essa reação contra Obama e silêncio sobre a ação do FSB (a sigla em inglês para o Conselho de Estabilidade Financeira)? É basicamente uma questão de foco: a Casa Branca está permanentemente iluminada pelos holofotes da mídia. Mais ainda se uma de suas ações pega Wall Street, tomando a ruazinha de Nova York como sinônimo de mercados financeiros, porque é outra zona sempre sob os holofotes e com imensa capacidade de influir na agenda da mídia.

Já a Basileia, QG do Conselho e dos bancos centrais do planeta, é uma cidadezinha suíça pequena e tranquila em que nada acontece que atraia jornalistas. As reuniões do FSB se dão a cada dois ou três meses, sempre aos domingos e segundas-feiras, poucos jornalistas aparecem, os temas são quase impenetráveis para os mortais comuns, pelo seu caráter técnico e, acima de tudo, a TV rarissimamente noticia porque não dão imagens bacanas aqueles senhores engravatados discutindo temas quase esotéricos.

De mais a mais, as recomendações da Basileia só viram regra quando compradas pelos governos, em especial dos países ricos. Quando Obama coincide com elas, Wall Street berra e o presidente vira populista.



Clóvis Rossi é repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha, ganhador dos prêmios Maria Moors Cabot (EUA) e da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano. Assina coluna às quintas e domingos na página 2 da Folha e, aos sábados, no caderno Mundo. É autor, entre outras obras, de "Enviado Especial: 25 Anos ao Redor do Mundo e "O Que é Jornalismo".

E-mail: Esta dirección electrónica esta protegida contra spam bots. Necesita activar JavaScript para visualizarla
Última actualización el Martes, 02 de Febrero de 2010 10:40
 
O curralzinho PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fuente indicada en la materia   
Sábado, 23 de Enero de 2010 12:22

Por YOANI SÁNCHEZ

A cada noite, no cabaret de um luxuoso hotel, um empresário europeu vai de mesa em mesa fazendo um pedido insólito. Aproxima-se dos comensais e explica-lhes que quando chegar a conta deixem-no pagar, com esses vales coloridos que traz em seu bolso. Em troca eles lhe darão o montante em pesos conversíveis que depois poderá trocar por dólares ou euros para levá-los para bem longe. Este homem é uma vítima do curralzinho financeiro que impede numerosos investidores estrangeiros de tirarem seus ganhos do território nacional. Para que não se desesperem completamente, as autoridades cubanas lhes permitem consumir ao longo da Ilha, pagando com papéis sem valor real.

O drama dos fundos congelados atinge hoje numerosos negociantes que se introduziram no nosso cenário econômico com a aprovação da lei de inversões estrangeiras em 1995. Desfrutavam do privilégio de gerir uma firma, condição totalmente vedada aos que nascemos aqui. Vinham a ser a nova classe empresarial num país onde a Ofensiva Revolucinária de 1968 havia confiscado até as cadeiras dos engraxates. A abundante mais valia que conseguiam obter os convertia num alvo muito atraente para as prostitutas, as casas de aluguel e para os membros da segurança do estado. Muitos deles eram vistos nos restaurantes mais caros escolhendo manjares apetitosos e acompanhados de mulheres muito jovens. Outros, os menores, davam presentes adicionais para seus empregados como compensação pelos baixos salários em pesos cubanos que a empresa empregadora do estado lhes pagava.

Estes representantes de um “coletivo avançado” estavam dispostos a perder um pouco do capital sempre e quando pudessem se situar - desde já - no cenário que algum dia seria como um pastel cortado em fatias. Com certeza, aqueles que fecharam contratos e compartilharam com eles o champagne, depois de um acordo, consideravam-nos somente um mal necessário e provisório, um desvio que seria erradicado ainda nem terminado o Período Especial. Depois de tantas garantias prometidas, faz uns meses lhes têm mostrado as arcas vazias, enquanto lhes repetem “não podemos pagar-lhes”. Imediatamente estes empresários começaram a sentir a impotência e o grito - travado no meio da garganta - que a cada dia nós cubanos, carregamos. Contudo, com certeza, não estão tão desprotegidos como nós ante a destruição do Estado: um passaporte de outro lugar lhes permite ir num avião e esquecerem tudo.

Nota do tradutor: O curralzinho ( El corralito) foi o nome dado pelo governo argentino ao congelamento das contas bancárias, mais estritamente em dólares americanos, entre dezembro de 2001 e dezembro de 2002, quando a nação entrou em crise financeira.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Última actualización el Sábado, 23 de Enero de 2010 13:02
 
Lições chilenas para o Brasil-2010 PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fuente indicada en la materia   
Sábado, 23 de Enero de 2010 13:20

Por CLÓVIS ROSSI

Lição número 1 (extraída do noticiário de ontem do jornal espanhol "El País"):

Eduardo Frei, o candidato da coalizão ora no governo (a "Concertación"), demorou apenas 30 segundos em seu discurso para felicitar o ganhador das eleições de domingo, o direitista e opositor Sebastián Piñera.

Já avançada a noite eleitoral, entrada a segunda-feira, o derrotado pegou a família, foi até o hotel em que o adversário festejava a vitória para cumprimentá-lo ao vivo e em cores --e diante das câmeras de TV que transmitiam os eventos da eleição de domingo.

Também ao vivo e em cores, a presidente Michelle Bachelet, derrotada embora extremamente popular, pegou o telefone, ligou para Piñera para cumprimentá-lo e dizer: "Espero que o Chile possa seguir pela trilha do progresso".

Piñera agradeceu e aproveitou para solicitar um favor: "Quero pedir seu conselho e ajuda para poder continuar seu trabalho porque sua experiência no governo é muito importante".

Bachelet topou na hora e avisou que, no dia seguinte, iria, a presidente em pessoa, à casa do ganhador para conversar. O incrível é que foi mesmo hoje, segunda-feira.

Tem mais: a mulher de Piñera também fez questão de tomar o telefone --sempre diante de câmeras e microfones-- para dizer a Bachelet: "Señora presidenta, quero dizer que, como mulher, me sinto orgulhosa de que a senhora tenha sido a presidente de todos os chilenos".

Se você viu ou ouviu algo semelhante no Brasil, me conte por favor porque minha memória, mesmo muito longa, não registrou nada parecido.

Lição número 2

A presidente Bachelet, filha de um militar morto sob tortura pela ditadura do general Augusto Pinochet, inaugurou faz pouco o Museu da Memória e dos Direitos Humanos.

O lema do novo museu é simples: "Não podemos mudar nosso passado. Só nos resta aprender do que vivemos. Esse é nosso desafio".

Enquanto isso no Brasil, nem o governo constrói um museu parecido, embora aqui também tenha havido violação em larga escala dos direitos humanos, nem se anima a "aprender do passado", que nem torturadores nem torturados podem mudar. Mas podem --e deveriam-- contá-lo na íntegra.


Clóvis Rossi é repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha, ganhador dos prêmios Maria Moors Cabot (EUA) e da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano. Assina coluna às quintas e domingos na página 2 da Folha e, aos sábados, no caderno Mundo. É autor, entre outras obras, de "Enviado Especial: 25 Anos ao Redor do Mundo e "O Que é Jornalismo".

E-mail: Esta dirección electrónica esta protegida contra spam bots. Necesita activar JavaScript para visualizarla
Última actualización el Sábado, 23 de Enero de 2010 13:22
 
Os loucos e os patifes PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fuente indicada en la materia   
Sábado, 23 de Enero de 2010 12:21

Por YOANI SÁNCHEZ

Os loucos são presa facil dos patifes que gritam das esquinas frases dolorosas para aumentar seu delírio. Com dois barquinhos de papel tinhamos um na minha quadra que passava horas numa estranha regata que não o levava à parte alguma. Sua mãe o mantinha calmo a base de benadrilina e diazepam; tudo para não enviá-lo ao armazém da demência que é Mazzorra, o hospital psiquiátrico havaneiro.

 

Na mente daquela senhora estavam as imagens do que havia sido a clínica psiquiátrica da rua Boyeros, com seu terror acumulado e sua depauperação material. O pacientes quase desnudos, as paredes cheias de excrecências humanas e a falta de supervisão, eram o cenário para as piores atrocidades. As fotos haviam sido publicadas nas revistas daquele longínquo 1959. Depois chegaram reportagens pela televisão, lençóis limpos, terapia ocupacional e até murais políticos que mudaram a face do que havia sido o horror. Só que, como já lhes disse, os loucos são presa facil dos patifes.

 

A partir dos anos noventa, com a chegada do período especial, o desvio de recursos atormentou Mazzorra. Os vizinhos das ruas adjacentes estavam bem sortidos por um mercado negro de cobertores, leite, comida, roupa, toalhas e medicamentos que saíam do hospital. Os alí ingressados acreditavam que fazia parte do seu sofrimento que, em cada dia, - como no filme “A luz que agoniza” -  faltassem lâmpadas elétricas nas salas. Foram-lhes subtraindo todo o indispensavel e ninguém notou as janelas quebradas, as privadas entupidas e as camas de pés quebrados. Dessa vez não havia um jornalista autorizado para retratar a miséria.

 

A imprensa oficial não pode esconder, contudo, a morte de 26 pacientes - alguns afirmam que a cifra é próxima dos 40 - por hipotermia e padecimentos associados ao abandono. Foram-se desta vida nuns dias frios de janeiro, enquanto apertavam corpo contra corpo sem poder com isso evitar o final. Os patifes, por seu lado, edificavam casas com o dividendo do roubo e acreditaram que ninguém nunca detectaria seus desfalques. Hoje, no hospital se investiga os responsáveis atrás de uma barreira policial para que os curiosos não se aproximem. Não fizeram imagens, porém me atormenta a ideia de quanto estes pacientes chegaram a se parecer, em seu desamparo, àqueles rostos das fotografias do passado.

 

Imagenes tiradas de: http://cubalagrannacion.wordpress.com/2010/01/17/el-hospital-de-dementes-de-mazorra/

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Última actualización el Sábado, 23 de Enero de 2010 12:24
 
«InicioPrev818283848586878889PróximoFin»

Página 83 de 89