Biden y la futura política de Estados Unidos hacia Cuba, Por Jorge Hernández Fonseca

Vivimos en EUA aquellos millones de cubano-americanos tomados como ejemplo por el ...

A los pies del Cristo Redentor, Brasil comenzó la campaña de vacunación contra el coronavirus

El gobierno de Brasil adelantó para este lunes el lanzamiento de su ...

El régimen de Maduro emitió una orden de captura contra dos directivos de Citgo designados por Guaid

El régimen de Nicolás Maduro emitió una orden de captura contra dos ...

Cuáles son los principales objetivos de Joe Biden para los primeros 100 días de su presidencia

A dos días de que Joe Biden tome posesión como presidente de ...

Butantan pede à China agilidade na liberação de insumos para novas doses da CoronaVac

O Instituto Butantan pediu ao governo chinês agilidade na liberação de insumos ...

A TV QUE RESISTE A CHÁVEZ PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 31 de Enero de 2010 12:03

Mesmo proibida de ir ao ar, emissora tenta levar vida normal, em uma atitude adotada “por dignidade”, segundo seus funcionários

O repórter chega à entrevista coletiva. Esforça-se para tirar o máximo da fonte. Mas é ele o centro das atenções. Por que está ali? Para quê? Os colegas estão curiosos. E ele, acostumado a ser o autor das perguntas, a ser o mensageiro das declarações alheias, responde, constrangido com a inversão de funções: – Acima de tudo, por dignidade.

Ojornalista do caso acima trabalha na RCTV (conhecida também como RCTI, com o “I” de internacional), emissora de TV da Venezuela que o presidente Hugo Chávez tirou do ar na transmissão aberta em 27 de maio de 2007 e, uma semana atrás, da transmissão a cabo – que passara a levar o “I” . No caso da TV aberta, não foi renovada a concessão. No da TV a cabo, a emissora, de oposição ao governo, recusou-se a transmitir discursos do presidente, desrespeitando uma ordem oficial.

A palavra “dignidade” virou um mantra nos corredores da emissora. A RCTV trabalha a todo vapor. E praticamente para si mesma. É uma forma diferente de resistência ao arbítrio. Em vez das greves, a labuta. Em vez dos braços cruzados, mãos deslizando pelas ilhas de produção, segurando microfones e carregando câmeras.

A situação é atenuada pelos contratos em pleno vigor, que não podem ser rompidos pelos patrocinadores – e costumam ser assinados para um período de vários meses. E, também, pela venda de material a outros países, ávidos em saber notícias sobre o cotidiano venezuelano.

A RCTV acabou, de certa forma, exilando sua produção. As notícias têm sido vendidas para emissoras de Aruba, Bonaire, Curaçao, Trinidad e Tobago, Miami (EUA) e Colômbia (o canal Noticias Caracol). E também podem ser vistas na internet, nos sites http://rctv.net e http://elobservador.rctv.net.

Novelas continuam tendo seus capítulos gravados

A equipe do noticioso El Observador continua apurando informações em Caracas e no interior. Dentro da emissora, o corre-corre é o mesmo de sempre. E a prioridade, na semana passada, era noticiar o que fosse possível dos protestos contra o fechamento da emissora.

Mas não é só isso. Até mesmo as gravações de estúdio da telenovela Libres como el Viento (Livres como o Vento, em espanhol) não cessaram. A nova telenovela da emissora, Que el Cielo me Explique (Que o Céu me Explique), também continua com as tomadas externas a todo vapor. Quem quer ser milionário?, o programa de auditório, persiste – restrito ao auditório, é claro.

– É tudo muito estranho. Só somos vistos em alguns países. Aqui, produzimos para ninguém. Mas resistimos. E muito por dignidade. Vamos ver até quando – diz a Zero Hora Larissa Patiño, produtora da emissora.

Quem entra na sede da empresa estranha. O ambiente, em geral, é de tranquilidade. Isso tem uma explicação e uma personificação: a vice-presidente de Recursos Humanos da emissora, Anany Hernández, recebe diariamente os editores, repórteres, cinegrafistas e técnicos com algumas palavras de alento, sempre ao sabor dos acontecimentos.

– É um desafio resistir com dignidade, mostrar ao mundo o que está ocorrendo aqui. Seguiremos lutando para recuperar a liberdade de expressão neste país. Nossas forças saem disso – diz a editora do El Observador e do programa, também noticioso, Habla la Calle (Fala a Rua), Soraya Castellano.

Se você quiser falar com funcionários da RCTV, pode ter certeza: como comprovam as declarações acima, uma palavra é sempre dita. Dignidade.

Um compromisso assumido pelos profissionais da emissora é o de que Libres como el Viento seguirá sendo gravada. E Que el Cielo me Explique, a nova trama, está pronta para (não) ir ao ar já nesta semana. Tem cerca de 20 capítulos já gravados. Na quinta e na sexta-feira, as gravações foram intensas.

– É um compromisso – explica o produtor de Libres como el Viento, Jhonny Pulido.

E por quê?

– Por dignidade.

LÉO GERCHMANN
Última actualización el Domingo, 31 de Enero de 2010 12:10
 

Add comment


Security code
Refresh

Eso de culpar al 'bloqueo' ya no encuent

Indicado en la materia

Por Juan Antonio Blanco.- Un pilar esencial para la credibilidad y sostenimiento del régimen totalitario cubano ha sido la promoción de falsas narrativas para consumo nacional e internacional. Pero hay crecientes evidencias de qu...

Invertir en Cuba

Indicado en la materia

Por MANUEL HERNÁNDEZ.-  El habanero Manuel Hernández es el ganador del primer premio del concurso Empresario Cubano, organizado por el Observatorio Cubano de Conflictos y Apretaste! El certamen consistía en aconsejar a un...

Las dictaduras castrochavistas buscan ca

Indicado en la materia

Por Carlos Sánchez Berzain.- El siglo XXI en las Américas esta marcado por la recreación del castrismo convertido en castrochavismo, para la de agresión a las democracias y la simulación política de...

La 'Tarea Ordenamiento' desincentiva la

Indicado en la materia

Por RAFAELA CRUZ.-  La agricultura es un sector capital de la nación cubana por lo que representa para el millón de personas que en ella labora y lo que implica para los 11 mi...

La tormenta perfecta: San Isidro más la

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  No es posible un ordenamiento monetario sin oferta de bienes o servicios. La validez de cualquier moneda se decide en el mercado, no en un escritorio burocrático. A ...

El “Isidrazo” y la crisis de legitimidad

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En medio de semejante escenario degradante, un grupo de jóvenes artistas de un barrio marginal habanero, muchachos sin camisa y con gorra de peloteros, le plantan cara al...

San Isidro: Acabar con el ninguneo del g

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la carta que el “Movimiento 27N” ha hecho llegar a los medios de comunicación, se aclara que la discusión no es sobre “cultura” es sobre “libertad po...