Cada vez son más las figuras mediáticas oficialistas que critican al régimen en Cuba

Las redes sociales no solo significan para los cubanos simples un escenario donde manifestar sus críticas, ...

En una declaración conjunta, los Cancilleres de Brasil y EUA afirmaron que Venezuela “verá caer” a N

El secretario de Estado estadounidense, Mike Pompeo, y el canciller brasileño, Ernesto ...

Venezuela: Masacre de Barlovento: la ejecución de 12 jóvenes que describió la Misión de la ONU y cuy

Nada justifica lo que ha ocurrido con militares activos y retirados, de ...

China reconoció la existencia de “campos de internación y reeducación” en Xinjiang

El gobierno chino defendió el jueves, en un acto inédito, su llamado ...

Mike Pompeo chega a Boa Vista para reunião com ministro das Relações Exteriores e visita à Operação

O secretário de estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, chegou a Boa ...

Brasil: Prévia da inflação fica em 0,14% em novembro, menor taxa para o mês desde 1998 PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 23 de Noviembre de 2019 12:49

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,14% em novembro, mostrando aceleração em relação à taxa de 0,09% registrada em outubro, segundo divulgou nesta sexta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Variação mensal do IPCA-15 — Foto: Economia G1

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,83% e, em 12 meses, de 2,67%, abaixo dos 2,72% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores, indo ainda mais abaixo do piso da meta para 2019, reforçando as apostas de uma nova redução na taxa básica de juro, em dezembro.

 

 

Foi a maior variação mensal do índice desde maio (0,35%). Apesar da ligeira alta, trata-se do menor resultado para um mês de novembro desde 1998, quando a taxa foi de -0,11%. Em novembro de 2018, a taxa foi de 0,19%.

Combustíveis e carne ficaram mais caros

A aceleração em novembro foi puxada pelos preços de transportes (0,30%), impactados pelo aumento da gasolina (0,80%) e do etanol (2,53%). Os preços do óleo diesel (0,58%) e do gás veicular (0,10%) também subiram, levando o resultado dos combustíveis a um aumento de 1,07%. Já as passagens aéreas tiveram alta de 4,44%.

Os preços do grupo alimentação e bebidas, por sua vez, apresentaram alta de 0,06% em novembro, após três meses consecutivos de deflação. Somente as carnes subiram 3,08% e contribuíram com 0,08 ponto percentual no índice geral do mês. Em 12 meses, a alta chega a 7,76%, mais do que o dobro da inflação.

Por outro lado, destacam-se as quedas dos preços da cebola (-18,60%), do tomate (-8%), da batata-inglesa (-7,92%) e do leite longa vida (-1,67%).

Também houve alta nos grupos vestuário (0,68%), despesas pessoais (0,40%).

Dos 9 grupos de produtos e serviços, 3 apresentaram deflação em novembro. Veja abaixo a inflação por grupos e o impacto de cada um no índice geral:

  • Alimentação e Bebidas: 0,06% (0,02 ponto percentual)
  • Habitação: -0,22% (-0,04 p.p.)
  • Artigos de Residência: -0,06% (0 p.p.)
  • Vestuário: 0,68% (0,04 p.p.)
  • Transportes: 0,30% (0,06 p.p.)
  • Saúde e Cuidados Pessoais: 0,20% (0,02 p.p.)
  • Despesas Pessoais: 0,40% (0,04 p.p.)
  • Educação: 0,04% (0 p.p.)
  • Comunicação: -0,02% (0 p.p.)

Preço da energia é destaque de queda

O grupo habitação apresentou a maior variação negativa (-0,22%) e ajudou a segurar a inflação em novembro, com impacto de -0,04 ponto percentual no índice geral, favorecido principalmente pela queda no preço médio da energia elétrica (-1,51%), impactada pela redução nas tarifas de concessionárias de São Paulo, Brasília e Goiânia.

"Além disso, em novembro, passou a vigorar a bandeira tarifária vermelha patamar 1, cujo valor da cobrança adicional foi reajustado de R$ 4,00 para R$ 4,169 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em outubro, estava em vigor a bandeira amarela, em que a cobrança adicional foi de R$ 1,50 a cada 100 quilowatts-hora", destacou o IBGE.

Também tiveram queda nos preços artigos de residência (-0,06%) e comunicação (-0,02%).

Perspectivas e meta de inflação

Com o ritmo de recuperação ainda lento da economia e demanda fraca, a inflação segue comportada e abaixo do piso da meta para 2019.

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 5% ao ano - a menor da série histórica do BC, que começou em 1986.

O mercado espera uma inflação de 3,31% em 2019, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. Para 2020, a projeção dos analistas é de uma inflação de 3,60%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%.

O mercado segue prevendo mais corte nos juros, com a Selic encerrando 2019 em 4,5% ao ano. Para o fim de 2020, a projeção passou de 4,5% para 4,25% ao ano, de modo que o mercado passou a estimar corte nos juros também no ano que vem.

A previsão de crescimento da economia brasileira neste ano está em 0,92%, segundo a pesquisa Focus.

O resultado oficial do PIB do 3º trimestre será divulgado pelo IBGE no dia 3 de dezembro. No 1º trimestre, houve queda de 0,1% e, no 2º trimestre, alta de 0,4%.

 

Teto, centro e piso da meta de inflação — Foto: Arte/G1

 

GLOBO



Última actualización el Sábado, 30 de Noviembre de 2019 12:49
 

Add comment


Security code
Refresh

La croqueta soberana: 40 años después

Indicado en la materia

Por FRANCISCO ALMAGRO DOMÍNGUEZ.- Hace unos días en este sitio apareció un resumen de la comparecencia del ministro de la Industria Alimentaria de Cuba. Para los que ya tenemos nietos, la información de...

¿Dónde está la responsabilidad en Cuba?

Indicado en la materia

Por DIMAS CASTELLANOS.-  Después del repunte del Covid-19, ocurrido en Cuba a fines del mes de julio, la prensa oficial y altos funcionarios han empleado reiteradamente el término "responsabilidad" para señalar a lo...

'Cambio bolsa de leche por picadillo'

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.- "Por esas seis canastas llenas de trigo te doy esta cabra que da una leche estupenda." "Cambio bolsa de leche por picadillo." La primera de las frases anteriores era co...

¿Nunca el Marxismo se Ha Aplicado Bien?

Indicado en la materia

Por ROBERTO ALVAREZ QUIÑONES.-  No aceptar el fracaso del marxismo llegado al poder conduce a fantasías brotadas de tres factores: 1) se confunde el deseo con la realidad; 2) no se co...

Elecciones en los Estados Unidos: ¿Trump

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  De manera poco usual en los Estados Unidos, la elección presidencial de este 2020 se ha tornado mucho más antagónicamente excluyente que de costumbre. Los partidarios de ...

Cuba castrista y su dependencia actual d

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Para los cubanos que vivimos en EUA con derecho al voto las alternativas están dadas: O votamos demócrata y le damos este respiro a la dictadura cubana, ba...

Los cambios hacia el capitalismo en la C

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Sería mucho más fácil publicar las condiciones que se imponen para poder crear las pequeñas y medias empresas. Pero eso sería, según la óptica dictatorial marxista, reconocer po...