Cuba: A los interminables apagones a lo largo de la isla, se le suma una generalizada escasez de gas

El régimen cubano aseguró este viernes que los cortes de energía y ...

Jair Bolsonaro llamó “mentirosa” a una periodista estrella de Brasil y causó revuelo

El Grupo Globo, la mayor empresa de medios de comunicación de Brasil, ...

Reino Unido declaró a la ONU que el tanquero británico fue capturado por el régimen de Irán en aguas

Reino Unido dijo el sábado al Consejo de Seguridad de Naciones Unidas ...

Bolsonaro diz aguardar resposta do governo dos EUA antes de indicar filho para embaixador

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (19) que aguarda somente a ...

Maia diz que saída de Levy e de diretor do BNDES é 'covardia sem precedentes' PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 17 de Junio de 2019 22:54

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na manhã desta segunda-feira (17) que a saída de Joaquim Levy da presidência do BNDES e do advogado Marcos Barbosa Pinto da diretoria de Mercado de Capitais do banco é "uma covardia sem precedentes".

Resultado de imagen para Maia diz que saída de Levy e de diretor do BNDES é 'covardia sem precedentes'

Levy pediu demissão neste domingo (16), um dia após o presidente Jair Bolsonaro ter dito em entrevista coletiva que ele estava com a "cabeça a prêmio". Bolsonaro cobrava de Levy a demissão de Marcos Pinto, que renunciou no sábado após a fala do presidente. "Uma pena o Brasil ter perdido dois nomes como os do advogado e do Levy. Acho uma covardia sem precedentes", disse Maia. "Levy veio de Washington [onde ocupava cargo de diretor do Banco Mundial] para trabalhar no governo. Está errado [sair assim], não pode tratar as pessoas deste jeito. Se é para demitir, chama e demite.

 

 

Ninguém é obrigado a ficar com um servidor de confiança se deixou de ser de confiança. Agora, tratar da qualidade dos dois desta forma, eu achei muito ruim", disse Maia.

Em evento promovido pela BandNews, Maia afirmou que, com a saída de Levy da presidência do BNDES, cabe ao ministro da Economia, Paulo Guedes, controlar a situação. "Quem tem que segurar firme é quem nomeou, e foi o ministro", disse Maia.

"Acho que o Guedes errou, mas já está passado, já está decidido. Eu queria que o Marcos Pinto pudesse ser aproveitado em uma área de um debate importante sobre economia com viés social. Ele é um dos melhores do Brasil que entende desta área, é uma pena que foi feito desta forma", completou o presidente da Câmara.

Rodrigo Maia critica a forma como aconteceu a saída de Levy e de Marcos Pinto do BNDES
Jornal Hoje
--:--/--:--
Rodrigo Maia critica a forma como aconteceu a saída de Levy e de Marcos Pinto do BNDES

Rodrigo Maia critica a forma como aconteceu a saída de Levy e de Marcos Pinto do BNDES

Ao blog da colunista Andreia Sadi, Maia afirmou ter ficado "perplexo" com o tratamento dado por Paulo Guedes a Joaquim Levy. Segundo integrantes da equipe econômica, o substituto de Levy será indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e deve ser da iniciativa privada.

Bolsonaro, segundo Paulo Guedes, tinha "angústia" por Levy ter escolhido para o banco "nomes ligados ao PT". Marcos Pinto é respeitado entre economistas e técnicos. Segundo o jornal "Valor Econômico", ele é mestre em direito pela Universidade de Yale (EUA) e doutor pela Universidade de São Paulo (USP).

Também em São Paulo, em outro evento, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, defendeu a decisão da demissão de Levy como um direito do presidente, Jair Bolsonaro.

“Isso é um direito que o presidente tem, o presidente é quem nomeia. Houve ali uma incompatibilidade ali de gênios, né? Não houve sintonia entre o que desejava o presidente e como trabalhava o de Levy. É uma pessoa que a gente respeitar, tomou uma decisão que a gente respeita e vida que segue”, disse Onyx.

Rodrigo Maia participa do Fórum BandNews em São Paulo — Foto: Tahiane Stochero/G1Rodrigo Maia participa do Fórum BandNews em São Paulo — Foto: Tahiane Stochero/G1

Rodrigo Maia participa do Fórum BandNews em São Paulo — Foto: Tahiane Stochero/G1

 

Votação da reforma da Previdência

 

Maia falou ainda que a reforma da Previdência deverá ser votada na comissão especial da Casa no próximo dia 26. E acrescentou que a crise com Paulo Guedes na sexta-feira, quando o ministro criticou a Câmara por tirar a capitalização da proposta, foi boa porque uniu a Casa, e a proposta deixou de ser a proposta do governo para ser a proposta do Congresso. “Ninguém tem a proposta perfeita.”

 

G1 GLOBO

Última actualización el Lunes, 24 de Junio de 2019 17:11
 

Add comment


Security code
Refresh

¿Mayor salario con 'chavitos' sin valor?

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  La polémica Ley de Say, del economista francés Jean Babtiste Say, postula que toda oferta genera su demanda, pero Miguel Díaz-Canel y su ministro de Economía, Alejandro Gil,  sostienen qu...

“El tiempo, la globalización e internet

Indicado en la materia

Sobre Yoani Sánchez.-  La periodista cubana Yoani Sánchez asegura que la prensa libre fue “aniquilada” en su país, teme que retroceda en otros como Venezuela y Nicaragua y confía en que el...

La generación histórica ya es cosa del p

Indicado en la materia

Por REINALDO ESCOBAR.- Aunque la expresión “generación histórica de la revolución cubana” se ha venido usando para definir a un grupo específico de personas, no existe una tesis oficial a través ...

Díaz-Canel va a 'poner contra la pared'

Indicado en la materia

Por ORLANDO FREIRE SANTANA.-  La nueva Constitución de la República de Cuba no está exenta de ambigüedades y hasta de contradicciones que tornan confusos sus articulados, y que en consecuencia les permite a ...

Por qué fracasan las conversaciones Madu

Indicado en la materia

  Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la Venezuela de hoy, hay dos posibilidades: 1) Negociar con Cuba. EUA, el Grupo de Lima y Europa negociar con la Habana. 2) Organizar una fuerza ...

El fracaso de las conversaciones Maduro-

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En estos encuentros se garantizarían los objetivos de Guaidó, pero el chavismo quedaría intacto y los intereses cubanos podrían encaminarse adecuadamente, además de resolver sus graves problemas in...

La mano de Cuba en las conversaciones ve

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Desde las fallidas negociaciones de la oposición venezolana con altos mandos de la dictadura madurista, ya se vio más o menos claro que los planes de la Ha...