Accidente aéreo en Cuba, efecto de crisis, Por Miriam Leyva

LA HABANA, Cuba.- El desplome del avión Boeing 737-200 durante el despegue en l...

México suspende operación de Aerolíneas Damojh tras accidente en Cuba

La Dirección General de Aeronáutica Civil de México dijo el lunes que ...

Almagro: "no reconocemos a Nicolás Maduro como presidente de Venezuela"

“No se puede tener democracia sin elecciones, pero ayer Nicolás Maduro demostró qu...

EEUU reacciona ante el fraude de Maduro e impone nuevas sanciones a Venezuela

Una orden del presidente Donald Trump limitará la capacidad del gobierno de Ni...

Brasil não reconhece vitória de Maduro; grupo de 14 países reduzirá relações com o país

Em nota emitida na manhã desta segunda-feira (21), o governo brasileiro, juntamente ...

Por que a esquerda brasileira está muda diante da fome que mata crianças na Venezuela? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 18 de Enero de 2018 21:31

Por JUAN ARIAS.-

Acredito que não exista nada mais doloroso do que ver uma criança morrer de fome, principalmente se isso acontece em um país que, como a Venezuela, tem as maiores reservas de petróleo do mundo e se proclama socialista.

Mulher seleciona limões em um supermercado em Caracas.

Não deixa, portanto, de causar estranheza o silêncio da esquerda brasileira diante dessas mortes infantis por falta de comida no país amigo. O Partido dos Trabalhadores quer voltar ao poder com Lula. Tem todo o direito de tentar fazer isso democraticamente, mas antes terá de nos dizer o que pensa sobre o que a imprensa mundial está denunciando a respeito da Venezuela.

 

Semanas atrás, a Folha de S. Paulo escreveu: “A fome persegue a Venezuela há anos. Agora está matando as crianças do país em um ritmo alarmante”. O jornal relata como uma equipe do The New York Times publicou no Natal uma longa investigação realizada durante cinco meses em 21 hospitais de 17 estados venezuelanos em que médicos e enfermeiros confirmaram que as crianças estão morrendo de fome e desnutrição por falta de comida.

A ONG Provea, defensora dos direitos humanos, denunciou por sua vez, segundo O Estado de S. Paulo, que os venezuelanos mais pobres, diante da crise alimentar em uma economia que, como escreveu o EL PAÍS, “está em coma”, com uma inflação de cinco dígitos, são obrigados a comer uma espécie de salsicha para cães, feita com restos de carne e gordura sem controle sanitário, ou ração para galinhas que serve como substituto do arroz. Lula, que apoiou as campanhas de Hugo Chávez e Nicolás Maduro, chegou a afirmar que na Venezuela havia “democracia em excesso”. A esquerda brasileira ainda continua pensando assim? O que existe é a fome que mata, enquanto aqui no Brasil o que começa a preocupar é o excesso de peso e a obesidade, que já atingem 53% da população, incluindo as crianças.

É verdade que muitas vezes o grande público, especialmente o menos culto, não se sensibiliza com a falta de democracia em um país e, às vezes, até sente saudade das ditaduras, mas o que não deixa de doer em ninguém é a fome de uma criança. O mundo está vivendo uma guinada para a extrema direita com contornos de novos e perigosos autoritarismos. Mais do que nunca é necessário que a esquerda social, uma vez que a ideológica já perdeu seu sentido, se sensibilize com aqueles que vivem –como na Venezuela– momentos dramáticos, não por não terem papel higiênico, mas porque lá se morre de fome lá. Fechar os olhos a essas tragédias é trair os valores da esquerda sensível ao pranto dos desamparados.

Só quem sentiu na carne o ferrão da fome pode entender o que significa para os pais ter de enterrar seu pequeno morto por falta de comida, como no caso da Venezuela que a Folha conta. Sabem muito bem disso aqueles que conseguiram escapar de um campo de concentração nazista. Um desses sobreviventes, brasileiro, que veio almoçar em nossa casa quis comer apenas o pão que minha mulher havia feito. Ele nos contou que a fome que mastigou no inferno do campo era tanta que, até hoje, sua iguaria preferida é um pedaço de pão. Eu mesmo, que sou um sobrevivente da fome que açoitou os espanhóis durante a Guerra Civil de 1936 e o período do pós-guerra, posso garantir que poucas coisas são tão duras para uma criança como foi para mim e meus dois irmãos ir dormir com fome. Durante muito tempo, e até na idade adulta, sonhava, como um pesadelo, com pão quente saindo do forno.

São lembranças que hoje se aglomeram na minha memória quando leio que na irmã e rica Venezuela existem crianças que morrem de fome ou são forçadas a disputar comida com cães e galinhas. E assim como me machuca a fome delas, me machuca o silêncio da esquerda rica brasileira que, enredada em suas pequenas disputas políticas, não consegue levantar a voz para denunciar essa tragédia. Ou a esquerda ainda pensa que o que sobra na Venezuela é a democracia? O que sobra hoje é o pranto daqueles que não conseguem comida para seus filhos.

Última actualización el Viernes, 09 de Febrero de 2018 13:33
 

Add comment


Security code
Refresh

Por qué Maduro no entregará el poder

Indicado en la materia

Por CARLOS ALBERTO MONTANER.- Mike Pence, VP de Estados Unidos, ha pedido alto y claro que no se reconozca el resultado de las elecciones venezolanas del próximo 20 de mayo. Ése es...

¿Habrá una chispa en Cuba como la hubo e

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Una de las tareas reservadas “con alevosía y premeditación” al nuevo “presidente” Díaz Canel es nada menos que la unión monetaria, que implicaría un cambio de moneda ...

La extinción de la raza cubana

Indicado en la materia

Por Miguel Sales.-  El título de esta columna puede sorprender y quizá ofender a algunos lectores. ¿Existe una raza cubana? El problema no radica en el gentilicio, sino en el sustantivo "r...

La Muerte del Marxismo

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la actualidad los únicos países marxistas remanentes son Corea del Norte y Cuba. El fracaso del marxismo que sintió China en los años 70 del siglo ...

China, Corea del Norte, Estados Unidos y

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Se puede conjeturar que los comunistas cubanos estarían considerando muy seriamente ir a la economía de mercado por varias razones: primero, algunas garantías, no sólo de capital, ...

La Oposición Política Cubana como Opción

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Una de las lecciones de lo sucedido en la Cumbre es la importancia de la solidaridad internacional, aliada a la lucha interna. Con una franca disminución de ...

Cuba: La era post Raúl

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Raúl deja para su sucesor –muy probablemente Díaz Canel-- todos los problemas administrativos del gobierno, incluyendo la economía; y es precisamente esa economía lo que el jefe ...