Washington asegura que EEUU exporta millones de dólares en medicinas y equipos médicos a Cuba

El Gobierno de EEUU dijo que el país ha exportado a Cuba en la...

Iván Duque anunció el inicio de la quinta fase de la Campaña Multinacional Orión contra el narcotráf

En una declaración a medios en la sede presidencial, el presidente colombiano ...

Ecuador: el ex presidente Rafael Correa fue sentenciado a ocho años de prisión por corrupción

El ex presidente de Ecuador Rafael Correa fue condenado este martes a ...

Trump volvió a criticar la respuesta de la OMS al coronavirus y amenazó con suspender la contribució

El presidente de los Estados Unidos, Donald Trump, volvió a criticar la ...

Estudo da Fiocruz aponta efeito promissor de remédio para Aids contra covid-19

Um remédio usado comumente no tratamento da Aids e fabricado em larga ...

Notícias: Brasil
Venezuela: Chávez arranca uma campanha que, segundo disse, "definirá os próximos 100 anos" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 02 de Julio de 2012 10:23

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em busca de sua terceira reeleição consecutiva, afirmou neste domingo que na campanha para as eleições do 7 de outubro vão se decidir “os próximos cem anos” do país e previu que o resultado das urnas será “outro fulminante nocaute” para a burguesia. Chávez pediu a Deus que siga lhe dando vida e saúde para servir seu povo.

“Nestes próximos 100 dias vão se decidir os próximos 100 anos venezuelanos”, afirmou Chávez em um discurso diante de milhares de seguidores que se concentraram na cidade de Maracay (centro) em um ato marcando o início da campanha.

O governante, de 57 anos e em fase de recuperação de um câncer de natureza não informada, concluiu em Maracay uma caravana eleitoral de 18 quilômetros iniciada na localidade de Mariara, no vizinho estado de Carabobo.

Desde hoje e até o 4 de setembro, Chávez e seu principal rival, Henrique Capriles, candidato da oposição unida, assim como cinco candidatos minoritários, dispõem de prazo para convencer os eleitores que lhes deem sua confiança para presidir o país.

O presidente venezuelano assinalou que esta é a “quinta campanha” que enfrenta desde 1998, quando ganhou pela primeira vez a Presidência, e usou o conhecido refrão popular “não há quinto mau”, para assegurar que a inicia nas “melhores condições” possíveis.

Destacou que entre ele e Capriles, a quem qualifica de “majunche” (pouca coisa), “não há menos de 20 pontos de diferença neste momento”, mas ainda assim “lutará dia a dia” e “noite a noite” para buscar “os 10 milhões de votos no [dia] 7 de outubro”.

“Dez milhões de votos e dar à burguesia outro fulminante nocaute”, agregou o governante, quem deixou a seus seguidores a tarefa de “ir convencer os indecisos”, bem como os novos votantes.

Desde Maracay se dirigiu a seus opositores para dizer que “estão derrotados” desde “hoje mesmo” e pediu respeito para o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) e à força Armada que se encarrega de resguardar as eleições.

“Se é que lhes ocorre o plano B, nós já temos o plano C, de modo que não se lhes ocorra (…) Vão ficar passados se se lhes ocorre”, agregou o presidente.

Antecipou um “nocaute fulminante não só à burguesia local senão ao império norte-americano” e sentenciou que a “Venezuela é uma vez mais como há 200 anos o epicentro de uma batalha internacional”.

“Após um ano muito difícil que passei, que vivemos, obrigado Deus meu e te peço que sigas  me dando vida e saúde para servir a teu povo, Cristo”, disse Chávez ao finalizar o discurso que ofereceu para celebrar o início oficial da campanha propagandista das eleições presidenciais do dia 7 de outubro.

Traduzido por Infolatam

Infolatam/Efe
Caracas, 1° de julho de 2012

 
Odebrecht USA ganha causa contra lei que impede negociações com Cuba PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 28 de Junio de 2012 09:10

MIAMI, 26 Jun 2012 (AFP) -Um juiz federal de Miami paralisou a entrada em vigor, em 1º de julho, de uma nova lei na Flórida que pretende proibir aos governos locais a contratatação de empresas com vínculos comerciais com Cuba, em decisão a favor da Odebrecht.

O juiz K. Michael Moore ordenou a medida cautelar em audiência realizada na noite de segunda-feira, segundo informou à AFP uma fonte da filial americana do grupo Odebrecht.

No início de junho, a Odebrecht USA abriu processo contra o estado da Flórida por causa desta controversa lei estadual que visa a proibir os governos locais a fechar contratos com empresas que mantenham negócios com Cuba e Síria.

O processo alega que a lei é inaplicável e inconstitucional porque interfere em assuntos de política externa, uma faculdade de pertence exclusivamente ao governo federal, assinalaram os documentos judiciais.

A lei visa a proibir às agências governamentais estatais e locais pela adjudicação de contratos no valor de ao menos um milhão de dólares a empresas como a Odebrecht Construction, Inc, que conta com uma filial em atividade no porto cubano de Mariel.

"Acreditamos firmemente que esta nova lei da Flórida viola a Constituição dos Estados Unidos", afirmou, então, um comunicado da Odebrecht USA, que é subsidiária da Odebrecht SA, uma empresa multinacional diversificada do Brasil, com operações em mais de 20 países, incluindo Cuba.

O governador republicano Rick Scott provocou, no início de maio, uma polêmica na Flórida, reduto do exílio cubano, ao assinar a nova lei em uma cerimônia cheia de simbolismo para esta comunidade de Miami e cercado por legisladores de origem cubano-americana.

Mas depois da assinatura ante as câmeras, seu gabinte emitiu um comunicado que sugeria que a lei era inconstitucional e que a última palavra seria do governo federal, algo que exasperou os cubano-americanos que estiveram presentes no ato e que obrigou o governador a retratar-se e assegurar que faria cumprir a lei assinada.

A Câmara de Comércio estadual se mostrou contrária à lei por seu possível efeito sobre as empresas brasileiras e canadenses, os principais sócios comerciais da Flórida.

Estava previsto que a lei entrasse em vigor em 1º. de julho.

pb/arc/cn/fp

 
COM A INTERNET PROIBIDA NA ILHA, OS CUBANOS SO TÊM ACESSO A INTRANET LOCAL PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 16 de Junio de 2012 11:16

O governo cubano monopoliza as comunicações e controla a economia. Não há banda larga de Internet e os poucos usuários da Internet sofrem com longas esperas para abrir um email ou ver uma foto ou um vídeo, o que também prejudica o governo e as operações empresariais.

O número de cubanos ligados à intranet controlada pelo Estado (Intranet) saltou mais de 40% em 2011, em comparação com o ano anterior, e o uso de telefone celular subiu 30%, informou o governo. A população de Cuba, no entanto, permanece excluída do acesso à internet.

Última actualización el Jueves, 21 de Junio de 2012 12:33
 
Cuba: Fidel Castro surpreende os cubanos com suas ‘minirreflexões’ PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 02 de Julio de 2012 10:27

O ditador cubano Fidel Castro, famoso por seus maratônicos discursos, voltou a surpreender os cubanos com minúsculos artigos de apenas 40 ou 60 palavras, dignos do Twitter, nos quais comenta assuntos variados, que vão do cultivo de árvores à ioga, passando até mesmo pela expansão do universo.

“Respeito todas as religiões, apesar de não compartilhar nenhuma delas. Os seres humanos buscam uma explicação para sua existência, dos mais ignorantes até os mais sábios. A ciência busca constantemente explicações sobre as leis que regem o universo. Nestes instantes, o veem em momentos de expansão, iniciado há cerca de 13,7 bilhões de anos”, escreve o líder cubano em sua “minirreflexão” desta quarta-feira no jornal oficial Granma.

Nem as autoridades comunistas nem a mídia da ilha comentaram essa mudança nas “Reflexões de Fidel”, que são publicadas no site oficialista Cubadebate, reproduzidas em todos os jornais cubanos e lidas integralmente nos noticiários da tv.

Nesses breves artigos, já recordou o recém-falecido boxeador cubano Teófilo Stevenson, o guerrilheiro Ernesto ‘Che’ Guevara e o ex-líder alemão oriental Erich Honecker. Também criticou o ex-número um chinês Deng Xiaoping, cujo país agora é um importante sócio da ilha.

A mais enigmática dessas “minirreflexões” foi a primeira, publicada no domingo no Cubadebate, e que não foi reproduzida pelo Granma.

“Que são os FC? Estes constituem um método com o qual tento transmitir os modestos conhecimentos adquiridos durante longos anos e considero úteis para os funcionários cubanos responsáveis pela produção de alimentos essenciais para a vida de nosso povo, uma tarefa que compartilho com gosto com (a jornalista cubana) Talía González, velha amiga dos tempos de Elián González” (o menino balsero).

Seu novo estilo lacônico contrasta com os longos discursos de sempre: em 1959, pouco depois de chegar ao poder, Fidel falou por sete horas na televisão. E, em 26 de setembro de 1960, pronunciou um discurso de quatro horas e 29 minutos na ONU, o que acabou indo para o Livro Guinness de Recordes.

AFP
Havana, 20 de junho de 2012

INFOLATAM

 
GOOGLE FECHA O USO DE "GOOGLE ANALYTICS" EM CUBA PARA EVITAR SEU USO PELA POLICÍA POLÍTICA CONTRA OS CUBANOS PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 21 de Junio de 2012 08:50

HAVANA — Cuba denunciou o fechamento, por parte do Google, do acesso da ilha a seu serviço de estatísticas "Google Analytics", classificando a medida como "escandalosa censura".

Para Christopher Sabatini, director de Políticas Públicas do "Americas Society / Council of the Americas", as restrições ao Google Analytics não estão motivadas pelo embargo. “O governo cubano podería usar o serviço para espiar o tráfico web de seus cidadãos e identificar os que são contra o governo”, disse. “Não querem que o governo receba a informação através de Google”.

Última actualización el Sábado, 23 de Junio de 2012 12:19
 
«InicioPrev741742743744745746747748749750PróximoFin»

Página 744 de 809