Hay agentes cubanos participando en 'graves torturas' en Venezuela y Nicaragua, denuncia ante la OEA

Un teniente de la Armada venezolana denunció ante la OEA graves actos de ...

Trump y Bolsonaro formaron un eje contra el socialismo en su primera reunión

En su primera reunión, los dos mandatarios de tendencia ultraderechista hicieron gala ...

La Alta Comisionada de la ONU por los Derechos Humanos hace informe crítico a Maduro en Venezuela

La alta comisionada de la ONU para los Derechos Humanos, Michelle Bachelet, ...

Madrid: Zapatero habría viajado a Caracas a negociar la salida de Maduro

José Luis Rodríguez Zapatero, exjefe del Gobierno de España, podría ser la ...

Bolsonaro viaja ao Chile para discutir criação do "Prosul" com líderes sul-americanos

No dia em que completa 64 anos, o presidente Jair Bolsonaro viaja ...

Notícias: Brasil
Cuba: Kadafi fue "asesinado" PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Viernes, 21 de Octubre de 2011 22:54
TELEDIARIO AFIRMA QUE KADAFI "FUE ASESINADO"

LA HABANA, 20 (ANSA) - El telediario cubano del mediodía anunció hoy que el coronel libio Muammar Kadafi "fue asesinado" tras ser capturado vivo, y transmitió imágenes de la cadena Telesur que, aseguró un locutor, lo prueban.
La grabación de video muestra imágenes, a veces confusas, en las cuales Kadafi camina entre captores y después se lo ve cuando es obligado a montar en un vehículo.
La noticia de la muerte de Kadafi fue, hasta el momento, publicada por ese noticiero de la televisión nacional y el sitio en Internet Cubadebate cuyo titular es "Insurgentes confirman muerte de líder libio; fue asesinado, dice médico".
Hasta el momento ninguna fuente oficial cubana comentó el hecho. DFB
20/10/2011 21:38

 
A possível volta do regime soviético PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 08 de Octubre de 2011 14:52
Economist

Apesar de todos os horrores do stalinismo, da brutalidade, incompetência e outras atrocidades da União Soviética, ela ainda conta com um pequeno fã clube. Aos leitores pode muito bem ter escapado, mas o grandiosamente intitulado “Terceiro Congresso Mundial do Conselho Internacional de Amizade e Solidariedade com o Povo Soviético” se reuniu em Toronto, de 9 a 11 de setembro. A palavra “terceiro” não significa “terceiro mundo”, mas sim que  já houve dois congressos como esse após o “desaparecimento temporário da União Soviética”: o primeira realizado em 2001 e o segundo em 2005, ambos também em Toronto.

Esta reunião contou com a presença de cerca de 30 representantes de diferentes partes do mundo. A maioria era do Canadá e dos Estados Unidos, muito poucos da Rússia, e pelo menos um do Reino Unido.

No primeiro dia, um dos oradores foi Viktor Bourenkov, presidente da Sociedade de Amizade Soviética com os Povos de Países Estrangeiros. O objetivo declarado da sociedade é o renascimento da União Soviética e do socialismo. Bourenkov assegurou à sua audiência que a Sociedade coopera com o Partido dos Trabalhadores Comunistas Russo – o Partido Revolucionário dos Comunistas, o PCUS, RCP-PCUS (Prigarin), um par de grupos de jovens, o jornal “Za SSSR” e o Movimento “Lenin I Otechestvo”. A Sociedade também tem contatos com a União Internacional de Jornalistas Eslava e a Embaixada cubana na Rússia.

Mas o movimento revitalista já está sendo destroçado por divisões internas. A China conta como uma potência imperialista? O ramo francês diz que sim. Outros discordam. Gennady Zyuganov, o líder da principal corrente da Rússia foi criticado por sua promoção oportunista de Stalin como líder em tempos de guerra ao invés de reconhecê-lo como teórico marxista.

É fácil esboçar um sorriso irônico em relação ao evento. Talvez os fantasmas dos milhões de assassinados sob o sistema soviético e as dezenas de milhões de pessoas cujas vidas foram arruinadas não consigam ver o lado engraçado disso tudo. Por que o revivalismo soviético é tratado como uma piada enquanto esforços semelhantes para reabilitar Hitler são vistos como crimes repugnantes ou injustificáveis?

 
Chávez não reage bem à quimioterapia PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Viernes, 23 de Septiembre de 2011 20:58

O ex-embaixador dos Estados Unidos na Organização dos Estados Americanos (OEA) Roger Noriega disse que o presidente venezuelano Hugo Chávez não está reagindo bem ao tratamento contra o câncer, segundo publicou nesta sexta-feira o El Nuevo Herald.

Segundo o jornal, que cita fontes que "ao longo dos anos forneceram informações bastante confiáveis", Noriega informou na quinta-feira que a saúde do presidente venezuelano é pior do que a divulgada.

"Estas fontes continuam informando que Chávez está em uma condição muito grave e que não está melhorando da forma como os médicos haviam previsto", disse Noriega em um fórum organizado pela Universidade de Miami.

"Isto significa que deveríamos começar a pensar, e deveríamos nos preparar, para um mundo sem Chávez", teria afirmado Noriega segundo o jornal.

No entanto, o governante retornou na quinta-feira de Havana para Caracas, onde anunciou que tinha concluído a quarta sessão de quimioterapia com resultados "muito bem-sucedidos".

"Podemos dizer, graças a estes resultados, que a fase de quimioterapia acabou, fechamos o ciclo e agora vamos nos dedicar à recuperação plena", disse ao chegar ao aeroporto de Maiquetía.

O presidente declarou que agora iniciará um tratamento de fisioterapia e um processo de "recuperação progressiva e plena", e pediu que os cidadãos não se deixem levar por boatos sobre sua doença.

Noriega, no entanto, afirmou que o governante está mentindo e que o regime determinou que a única maneira que Chávez tem de ganhar as eleições presidenciais do ano que vem é projetando uma imagem de recuperação.

"Acham que podem ganhar uma eleição se Hugo Chávez estiver relativamente ativo e demonstrar força", declarou Noriega, que inclusive indicou que o chefe de Estado mente quando diz ter se submetido a quatro sessões de quimioterapia.

"Esta última foi sua terceira sessão. Quando foi a Cuba para receber a segunda, os médicos decidiram não fazê-la porque concluíram que não faria bem a ele, devido à sua contagem de células vermelhas".

Última actualización el Viernes, 23 de Septiembre de 2011 21:04
 
Cuba perde a opositora Laura Pollán PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 15 de Octubre de 2011 12:28

HAVANA - Laura Pollán, uma das líderes do grupo de familiares de ex-presos políticos cubanos conhecido como Damas de Branco, morreu nesta sexta-feira, 14, após uma parada cardíaca, disseram fontes da dissidência.

Laura pediu que cardeal atuasse por dissidentes cubanos, o que se desenvolveu e trouxe libertações - Alejandro Ernesto/Efe
Alejandro Ernesto/Efe
Laura pediu que cardeal atuasse por dissidentes cubanos, o que se desenvolveu e trouxe libertações

Laura, de 63 anos, havia sido internada há uma semana em uma clínica de Havana e desde então seu estado de saúde havia sido informado como "muito grave" devido a uma insuficiência respiratória de origem viral, que fez os médicos conectá-la a um respirador artificial pouco depois.

"Laura Pollán acaba de morrer", disse a blogueira Yoani Sánchez em sua conta no Twitter. Familiares e amigos informaram mais cedo que Laura havia sido submetida a uma traqueostomia.

Minutos antes, a filha de Laura, Laura Labrada, disse por telefone que foi avisada que sua mãe sofrera uma parada cardíaca. "Estou a caminho do hospital, me ligaram para dizer que minha mãe teve uma parada cardíaca", disse Labrada.

Bertha Soler, também fundadora do Damas de Branco, confirmou à Reuters a morte de Laura e disse que também foi informada de que sua amiga "havia sofrido uma parada cardíaca".

Laura, uma professora de profissão, ficou conhecida por marchar desde 2003 pelas ruas de Havana junto a um grupo de mulheres vestidas de branco para exigir do governo a libertação de dezenas de dissidentes cubanos condenados naquele ano a penas de entre 6 e 28 anos de prisão. Seu marido, Héctor Maseda, foi um dos 75 presos e condenados em 2003 a 20 anos de prisão.

Laura pediu no ano passado ao cardeal cubano Jaime Ortega que intercedesse por elas e seus familiares presos ante o governo da ilha. Esse foi o empurrão para um diálogo inédito entre a Igreja e o governo de Raúl Castro que levou à libertação de dezenas de presos políticos, a maioria enviada para a Espanha com seus familiares.

 
Chávez critica Petrobrás PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 01 de Octubre de 2011 11:45

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira que está convencido que existem setores dentro da petrolífera estatal brasileira, a Petrobras, que são contrários a um acordo para assegurar a participação da Venezuela em uma refinaria no Estado de Pernambuco, no Nordeste do Brasil.

Chávez disse que no começo de setembro telefonou para a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para celebrar o final das negociações de um acordo entre a Petrobrás e a estatal venezuelana Petroleos de Venezuela SA (PdVSA), que asseguraria a participação dessa última na construção da refinaria Abreu e Lima, no Estado de Pernambuco. Pouco depois, disse Chávez, "houve lá uma declaração de alguém da Petrobras, dizendo que faltava não sei que coisa" o que frustrou mais uma vez a participação da Venezuela no projeto.

"Eu acredito que na Petrobrás existem setores ou atores que não querem o acordo, estou convencido disso e já marquei na minha agenda para falar sobre isso com a presidente, minha querida Dilma", afirmou o mandatário.

As duas petrolíferas abriram as negociações em 2005 para construir a refinaria em Pernambuco, mas a Petrobrás iniciou as obras três anos depois sem a participação da PdVSA, porque não houve acordo sobre o montante que a estatal venezuelana destinaria à obra.

Segundo o acordo inicial, a refinaria, avaliada em US$ 12 bilhões, seria construída com um aporte de 60% do valor pela Petrobrás e os restantes 40% pela PdVSA.

Chávez disse que também reclamou sobre a situação com o ex-presidente do Brasil e antecessor de Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva. "Eles falaram não sei quantas vezes para Lula que estava tudo pronto e não estava, faltava isso, faltava aquilo", disse Chávez.

"Lamento falar essas coisas, mas é a verdade. Estou convencido de que existem setores ou atores na Petrobrás que não querem o acordo", disse Chávez. "Eu não me refiro ao governo do Brasil".

Segundo o mandatário, a Venezuela "ratifica a nossa maior vontade de chegar a esse acordo, porque acredito que é de mútuo interesse para o Brasil e a Venezuela".

A refinaria terá capacidade para processar 230 mil barris diários de petróleo, tarefa que será assumida em partes iguais pela Petrobrás e pela PdVSA, O principal produto será o óleo diesel com baixo teor de enxofre.

Sobre a relação comercial entre Venezuela e Brasil, Chávez disse que ela caminha "de maneira maravilhosa", mas ressaltou mais uma vez que, em relação à refinaria Abreu e Lima, "ela é uma exceção, é como uma ovelha negra".

As informações são da Associated Press.

 
«InicioPrev741742743744745746747748749750PróximoFin»

Página 741 de 754