Sindicalistas independientes piden a Bolsonaro resolver el 'limbo legal' en que quedaron los médicos

La Asociación Sindical Independiente de Cuba (ASIC) dirigió una carta al presidente de Brasil, Jair ...

Brasil: Bolsonaro destituye a su ministro de la Presidencia

El presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, cesó este lunes a uno de ...

'Si los militares (venezolanos) no dejan entrar la ayuda (humanitaria), lo perderán todo': Trump

El presidente de Estados Unidos, Donald Trump, dijo este lunes en un ...

Trump califica a Maduro de "marioneta de Cuba" en su discurso en Miami

Donald Trump dijo este lunes que la gente en Cuba, Nicaragua y ...

Deputados europeus que se reuniriam com Guaidó são expulsos da Venezuela

Uma delegação de deputados do Parlamento Europeu informou neste domingo (17) que ...

Notícias: Brasil
EUA denunciam 'injustiça' por condenação de americano em Cuba PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 13 de Marzo de 2011 13:10

 

WASHINGTON — A condenação do americano Alan Gross a 15 anos de prisão, em Cuba, por espionagem, é uma "injustiça", afirmou este sábado um porta-voz da Casa Branca, que pediu sua imediata libertação.

"A sentença de hoje (sábado) é outra injustiça no suplício de Alan Gross. Já passou muitos dias preso e não deveria passar nem mais um. Exigimos a libertação imediata de gross para que possa voltar para casa, com sua esposa e família", destacou o comunicado do porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Tommy Vietor.

Um tribunal cubano julgou Gross, de 61 anos e detido na ilha há 15 meses, culpado dos crimes "contra a independência ou integridade territorial", segundo nota oficial divulgada no telejornal, uma semana depois de concluído o julgamento.

Gross, que poderá apelar da sentença, foi detido em Havana no dia 3 de dezembro de 2009 quando, segundo o próprio presidente Raúl Castro, e distribuía "sofisticados meios de comunicação" a opositores, cumprindo seu papel de "agente secreto" dos Estados Unidos.

Alan Gross é um "dedicado trabalhador na área de desenvolvimento internacional, que dedicou sua vida a ajudar pessoas em mais de 50 países. Estava em Cuba para ajudar o povo cubano a se conectar com o resto do mundo", criticou o porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley.

A chefe da diplomacia americana, Hillary Clinton, chegou a exigir das autoridades cubanas, no início do mês, a libertação do americano.

Hillary destacou a "preocupação" de seu país com o processo aberto contra empresário de 61 anos, que ameaça piorar as relações já tensas entre Estados Unidos e a ilha comunista.

Washington diz que ele é empregado da empresa terceirizada Development Alternatives (DAI) - contratada pelo Departamento de Estado -, para ajudar a comunidade judaica em Cuba a comunicar-se com o exterior dando-lhe celulares e computadores. Mas a comunidade nega ter mantido qualquer contato com ele.

"Nós nos sentimos profundamente decepcionados com o veredicto e a sentença", acrescentou, em comunicado, James Boomgard, presidente da empresa DAI.

"Alan Gross foi acusado simplesmente de prover acesso à internet para gente pacífica", acrescentou no comunicado.

A família de Gross ficou "devastada" com a informação da sentença e acredita estar pagando um "enorme preço" pelo conflito entre os dois países, disse o advogado, Peter Kahn.

"A família Gross está devastada pelo veredicto e a dura sentença anunciada hoje pelas autoridades cuvanas. Tendo passado 15 meses em uma prisão de Cuba, Alan e sua família pagaram um enorme preço pessoal pelo prolongado conflito" bilateral, destacou o advogado da família em nota enviada à AFP.

Kahn disse que continuará trabalhando com a advogada cubana de Gross, Nuris Piñero, para explorar todas as opções do caso, inclusive a apelação da sentença, anunciada este sábado por um telejornal.

"Nesta hora difícil para Alan e sua família, pedimos novamente ao governo cubano para libertá-lo de imediato por razões humanitárias", acrescentou Kahn, que acompanhou a esposa de Gross, Judy, no julgamento.

Fonte AFP

 
A ditadura castrista não consegue demitir trabalhadores ate fim de Março como planejava PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 02 de Marzo de 2011 10:32

O governo de Cuba não conseguirá demitir meio milhão de trabalhadores estatais até 31 de março, reconheceu o presidente cubano, Raúl Castro. Citado pela TV estatal, Raúl disse que o calendário para os cortes seria alterado para suavizar o impacto das demissões na economia.

Os cortes planejados pelo governo são parte de planos para reavivar a economia em apuros de Cuba, assunto que deverá dominar as discussões no Congresso do Partido Comunista cubano em abril (link), o primeiro em 14 anos. Atualmente, o governo cubano detêm cerca de 85% dos trabalhadores que são empregados. Além das demissões, Cuba prevê incentivo para empreendedorismo e abertura para capital privador em 178 setores.

Ao discursar a membros de seu gabinete e ao Conselho de Estado, Raúl disse que uma mudança dessa magnitude “não poderia ser feita dentro de um prazo inflexível”. Ele ressaltou também a importância de fazer os cortes de funcionários públicos com cautela.

O líder cubano, no entanto, não determinou um prazo para as demissões e se limitou a lembrar que os cortes fazem parte de um plano quinquenal. “O quão rápido (esse plano) será levado adiante dependerá da nossa capacidade de criar condições legais e organizacionais para garantir seu sucesso”, disse ao prometer que as reformas não deixarão ninguém para trás.

 

Medidas

Desde que ele assumiu o poder por causa da doença que afastou Fidel Castro da presidência, em 2006, Raúl adotou algumas pequenas reformas, como a permissão para abrir cabeleireiros e barbeiros mediante pagamento de impostos para o governo, assim como licenças para táxis privados e retomada do controle de terras improdutivas por produtores agrícolas particulares.

No ano passado, ele anunciou o plano que previa as demissões, uma medida que faria parte de suas reformas moderadas para melhorar a produtividade do trabalho e elevar a qualidade dos serviços.

O governo autorizará o aumento simultâneo em oportunidades de emprego no setor não-estatal, permitindo que mais cubanos se tornem autônomos, formem cooperativas dirigidas por empreendedores privados e aumentem o controle privado de terras estatais e de infraestrutura em longo prazo.

*Com BBC e AP

Última actualización el Domingo, 13 de Marzo de 2011 13:12
 
CUBA ABRE INSCRIÇÕES PARA ESCOLA DE CINEMA PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 21 de Febrero de 2011 15:12

A Coordenação dos Exames de seleção para a EICTV no Brasil comunica a todos que estarão abertas até o dia 11 de março as inscrições para o Processo Seletivo 2011 / 2014. As provas serão aplicadas nos dias 18 e 19 de março, em cinco cidades: Belo Horizonte / MG, Recife / PE, Florianópolis / SC, Goiânia / GO e Belém / PA.

Serão oferecidas sete especializações - Direção, Produção, Roteiro, Fotografia, Som,Documentário e Edição. Cada candidato deverá optar por uma destas especializações.
Do Brasil, serão selecionados de quatro a seis candidatos que irão fazer parte de um grupo de40 estudantes de todo o mundo, principalmente da América Latina. O curso tem duração de3 anos. O início está previsto para setembro de 2011 e término em julho de 2014.
Condições e documentos exigidos:
Os documentos e materiais serão entregues no dia 18/03, antes dos exames escritos.
1) Ter Idade entre 22 e 29 anos (nascidos entre 1981 e 1989).
2) Preencher e enviar por e-mail a ficha de inscrição para a comissão do local onde fará a prova (O candidato deve levar uma cópia impressa, no dia da prova).
3) Apresentar Certificados legais de estudos que demonstrem que concluiu dois anos deestudos sistemáticos, técnicos ou universitários em qualquer carreira. (Apresentar os Títulos ou Diplomas em fotocópias legais).
4) Apresentar seu currículo impresso.
5) Apresentar Carta de motivação, com não menos que 3 laudas, que justifique seu interesseem estudar cinema. No caso de este texto estar escrito em português, o candidato deve apresentar uma cópia em espanhol.
6) Apresentar um Auto-retrato do candidato, em qualquer suporte, técnica ou formato.
7) Apresentar um arquivo pessoal (portfólio), com materiais em cine, vídeo, foto fixa, música, artes gráficas, literatura, teatro, imprensa, e outros, em cuja elaboração haja participado ou desempenhado um papel significativo e criativo, e que seu nome figure nos créditos da mesma.
8) Pagar a taxa de inscrição de 50 reais (o pagamento deve ser efetuado em dinheiro, no dia da prova).
9) Entregar seis fotos, tamanho 10x10cm. Uma das fotos deverá ser afixada no local apropriado da ficha de inscrição.
10) Certificado médico de aptidão física e mental.
Processo de seleção
Cada candidato responderá à 2 provas escritas: uma prova de conhecimentos gerais e uma prova correspondente à especialização que escolheu. Os candidatos aprovados nas provas escritas passarão  por entrevista oral no dia seguinte (19 de março). A comissão julgadora, então, realiza uma pré-seleção indicando os melhores candidatos em cada especialização. Caso haja necessidade, algumas entrevistas serão realizadas no domingo, dia 20 de março. Oscandidatos que tenham vindo de outras cidades terão prioridade, na ordem das entrevistas. Todo o processo é realizado em português. O material e a documentação dos selecionados são enviados, em seguida, para Cuba, para a EICTV. O Conselho Docente da EICTV faz aseleção final. Os nomes dos candidatos selecionados devem ser anunciados na segunda quinzena de junho.
A Prova Específica acontece entre 8h e 11:30h e a Geral, entre 13:30h  e 16:00h, no dia 18 de março.
Matrícula
A matrícula para os três anos tem um custo de cinco mil euros por ano. Forma de pagamento: à vista (em setembro) ou em duas parcelas (setembro e janeiro). Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual subsidia parte do valor da matrícula dos alunos brasileiros sendo que o restante pago pelo aluno.
Os estudantes que ingressam no curso regular têm direito a hospedagem em quartos individuais, alimentação, transporte entre Havana e San Antonio de los Baños, assistência médica primária e de emergência, material escolar e produção integral dos trabalhos em cinema e vídeo.
Após o preenchimento, a ficha de inscrição deve ser enviada por e-mail Esta dirección electrónica esta protegida contra spam bots. Necesita activar JavaScript para visualizarla .



Fonte: Ascom

Última actualización el Viernes, 04 de Marzo de 2011 10:19
 
General boliviano é preso no Panamá por narcotráfico PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Viernes, 04 de Marzo de 2011 10:22

O general René Sanabria Oropeza, ex-chefe do serviço de combate às drogas e atual assesor de Inteligência do governo do presidente boliviano, Evo Morales, foi preso no Panamá por narcotráfico, e entregue aos Estados Unidos, informou nesta sexta-feira um oficial da polícia panamenha.

"Há dois dias, foi detido aqui no Panamá graças ao esforço conjunto da Polícia Nacional e da agência antidrogas dos Estados Unidos (DEA)", disse o oficial, que pediu para não ser identificado.

"Este senhor, com patente de general, chamado René Sanabria Oropeza, foi entregue às autoridades americanas e neste momento está na cidade de Miami, sob a custódia americana".

"Sua prisão foi uma operação realizada pelos Estados Unidos em coordenação com o governo panamenho (...) Havia uma ordem internacional de captura".

Em La Paz, o ministro boliviano do Interior, Sacha Llorenti, confirmou que "fontes diplomáticas (do Panamá) informaram a prisão (...) do general da reserva da Polícia René Sanabria Oropeza, que trabalha no Centro de Inteligência do Ministério".

O general Sanabria ocupou entre 2007 e 2008 a chefia da Força Especial de Combate ao Narcotráfico, o mais elevado cargo na repressão ao tráfico e à produção de drogas na Bolívia.

Atualmente, Sanabria é assessor de Inteligência do ministério do Interior.

Segundo Llorenti, o general partiu do país há alguns dias, em voo charter, "sem a autorização de seus superiores", o que constitui um "fato irregular".

O ministro revelou que como consequência do incidente no Panamá outros cinco policiais foram detidos na Bolívia, e que uma "investigação está em andamento".

Última actualización el Viernes, 04 de Marzo de 2011 10:28
 
Um ano da morte de Orlando Zapata Tamayo por greve de fome em Cuba PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 24 de Febrero de 2011 10:57

 

O jornal 'El Nuevo Herald' recorda o dissidente cubano cuja morte, por greve de fome, desencadeou o protesto que levou à libertação dos presos políticos

"Ninguém deve deixar passar esta data, porque não é fácil encontrar um mártir em pleno século XXI", disse o dissidente Guillermo Fariñas, que começou uma greve de fome no dia seguinte à morte de Zapata.

Zapata morreu faz amanhã um ano, depois de 83 dias em greve de fome. Os opositores do regime dos Castro querem assinalar a data, mas fontes citadas pelo 'El Nuevo Herald' acredita que as autoridades cubanas procedam a dezenas de detenções para evitar grandes reuniões. O jornal de Miami, casa de muitos opositores cubanos, fala de uma "tensa calma" em Cuba.

A morte de Zapata desencadeou o protesto de Fariñas, acabando o Governo cubano por ceder à pressão e negociar com a Igreja cubana a libertação dos presos políticos. Mais de 70 já estão em liberdade.

Última actualización el Jueves, 24 de Febrero de 2011 11:05
 
«InicioPrev711712713714715716717718719720PróximoFin»

Página 714 de 748