Las Damas de Blanco piden a la diplomacia de Surinam ayuda para sus tres miembros varadas en ese paí

Las Damas de Blanco pidieron este viernes a los representantes diplomáticos de Surinam en ...

Brasil paga 20 millones de dólares por el trabajo de médicos cubanos en Haití

El primer ministro de Haití, Jack Guy Lafrontant, recibió hoy a los ministros ...

Caracas: Un muerto y varios heridos en enfrentamientos entre policías y opositores

Decenas de manifestantes, la mayoría de ellos encapuchados, se enfrentaron a agentes de...

Apoyada por Donald Trump, republicana gana emblemática elección para dirimir escaño congresional de

"Esta noche estoy ante ustedes, extraordinariamente humilde y honrada por el enorme pr...

Lula a um passo da condenação

Mais do que nunca, os olhares do mundo político e jurídico estão ...

Notícias: Brasil
Licência Internacional ON-LINE PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 03 de Abril de 2012 10:29
  • Slide2
Última actualización el Martes, 03 de Abril de 2012 10:34
 
Cuba: E o papa vem? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 24 de Marzo de 2012 09:58

Por Leonardo Padura.-

Engalanada com luzes e pinturas brilhantes, acaba de abrir, em um bairro da periferia de Havana, a doceira La Caridad. O negócio privado ocupa o local onde anteriormente havia uma modesta moradia e, basta ver seu aspecto e suas ofertas, para perceber que tem aspirações de grandeza.

A algumas poucas quadras, no mesmo bairro afastado do centro, funciona o luxuoso restaurante cubano-italiano Il Divino, instalado na varanda de uma mansão de estilo campestre-colonial. Entre suas atrações está o fato de ser a sede do Clube de Someliers de Cuba, apoiado por uma prodigiosa adega subterrânea, onde repousam vários milhares de garrafas de vinhos italianos, espanhóis, franceses, chilenos, australianos, alguns com idades bem antigas e preços de dar susto…

Nas ruas dessa mesma zona da capital cubana se conta às dezenas os vendedores ambulantes de vegetais, bijuterias, artigos industrializados, lanches.

Negócios como estes e outros dos permitidos pelas recentes leis cubanas destinadas a ampliar e apoiar o chamado “trabalho por contra própria”, e até contratação de trabalhadores por particulares, brotam nos locais mais inesperados e às vezes até aparentemente afastados, como uma explosão de capacidades e necessidades por várias décadas adiadas, mal vistas pelo centralizado modelo econômico socialista, que em seu momento os proibiu e por anos os combateu, como se fossem o inimigo (ao menos de classe).

Justo em um desses comércios emergentes, enquanto esperava ser servido, um dos clientes perguntou ao seu acompanhante algo que, naquele ambiente de eficiência e desejos de prosperar, pode bem revelar os modos de pensar de hoje na ilha do Caribe… “Veja, e por fim o papa vem a Cuba?”, perguntou a pessoa e seu acompanhante terminou de iluminar a situação com sua resposta: “Me parece que sim”. Entre os dois clientes, por certo, o consumo chegou a 150 pesos, algo como um terço do salário médio estatal cubano.

Há 14 anos, quando se aproximava a visita do papa João Paulo II, possivelmente a muitos cubanos ocorresse fazer semelhante pergunta. Todo o mundo sabia que vinha o pontífice e, também, tinha alguma expectativa pelo que pudesse provocar ou deixar em sua passagem pela ilha. Mas entre aqueles meses de 1997 anteriores ao acontecimento e os dias de hoje, vésperas da visita de Bento 16 (de 23 a 29 deste mês), a mente dos cubanos parece estar dando mais voltas do que é possível contar.

Umas poucas semanas atrás, ao concluir o trajeto pastoral que a imagem da Virgem da Caridade do Cobre, padroeira de Cuba, realizou por todo o território nacional, as pessoas demonstraram um fervor religioso, ou, no mínimo, uma curiosidade, que parecia imprópria em um país onde se promoveu a prática do ateísmo científico como política de Estado. Nas ruas, pequenas capelas, conhecidas igrejas, as pessoas se reuniram para aproximar-se da Virgem e ouvir as mensagens dos padres católicos. O fim da peregrinação foi diante de uma multidão reunida em uma ampla avenida, perto da catedral.

O sentimento religioso, inclusive preservado em segredo durante anos por muitas pessoas, é, portanto, uma realidade incontestável. Mas, e a visita do papa?

Ao contrário do ocorrido entre 1997 e 1998, quando se aproximava e por fim acontecia a chegada de João Paulo II, hoje os cubanos têm, em muitos casos, os mesmos e inclusive novos problemas. Só que naqueles tempos ainda estava fresca a eliminação de discriminações políticas e sociais a respeito dos cidadãos com crenças religiosas, enquanto um manto de imobilidade caíra sobre a sociedade cubana. Atualmente, cheias de preocupações terrenas, as pessoas parecem esperar menos (talvez uma benção celestial) da visita do papa e muito mais de suas próprias capacidades e dedicação. É como se muitos tivessem decidido aplicar a velha máxima judia: quando alguém sofre uma desgraça, deve orar, como se a ajuda só pudesse vir da providência; mas, ao mesmo tempo deve agir, com se só ele pudesse encontrar a solução para a desgraça…

A mais leve ruptura das estreitas margens estabelecidas pelo Estado socialista para a prática da iniciativa individual e a consequente possibilidade de buscas independentes de vias para melhorar as condições de vida das pessoas, gerou muito mais energias e preocupações do que altas questões de política e, inclusive, de fé. Muito pouco parece interessar a uma quantidade notável de cubanos se o papa os visitará e quando. Eles são algumas dessas mesmas pessoas que, meses antes, enquanto corriam atrás da imagem de uma virgem cubana, também esperavam ouvir das autoridades que finalmente eles, como cubanos, teriam a eventual possibilidade de ter acesso à internet graças a um cabo de fibra ótica que parece ter se perdido no mar, ou de viajar livremente para o exterior, graças à reforma de algumas leis migratórias que não acabam de ser reformadas, entre outros sonhos desfeitos ou adiados.

As pessoas parecem pensar que os problemas materiais, dos que ganham pouco e vivem mal, dificilmente poderão ser resolvidos, aqui e agora, com visitas de pontífices. Os que ganham mais e aspiram prosperar, devem considerar que os produtos, os impostos e a competição são seus mais urgentes problemas. Não é de estranhar, então, que não estejam com muita expectativa com simbólicas presenças papais na ilha do Caribe. Suas necessidades são, neste momento, terrivelmente terrenas. Envolverde/IPS

*Leonardo Padura Fuentes, escritor e jornalista cubano. Seus romances foram traduzidos para mais de 15 idiomas e sua obra mais recente, “O homem que amava os cães”, tem como personagens centrais Leon Trotski e seu assassino, Ramón Mercader.

 
Morre em Cuba irmã de Fidel e Raúl PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 29 de Febrero de 2012 20:23

Morre em Cuba Angela Castro, irmã mais velha de Fidel e Raúl

Miami, 28 fev (EFE).- Angela Castro, a irmã mais velha dos líderes cubanos Fidel e Raúl, morreu em Havana aos 88 anos, segundo informou nesta terça-feira o site "Café Fuerte", citando outra das irmãs, Juanita Castro.

"Morreu ao amanhecer desta terça-feira, após ficar durante muito tempo em uma clínica", disse Juanita Castro, que mora em Miami, a esse portal de informações sobre Cuba.

Segundo explicou Juanita, Angela Castro "nunca saiu de Cuba e eu nunca mais a vi desde que abandonei o país (em 1964). É a tragédia de todas as famílias cubanas divididas".

Fazia dois anos que a falecida perdera a lucidez, afligida pelo mal de Alzheimer, sempre segundo a versão do site, que explica que a imprensa oficial cubana não fez menção da morte de Angelita, como era conhecida por sua família.

Juanita Castro disse que não assistirá ao funeral de sua irmã e negou que esteja preparando uma visita à ilha por ocasião da visita do papa Bento XVI.

Nesta quinta-feira será realizado um funeral privado em seu povoado natal, Birán, na província de Holguín, onde seus restos mortais serão cremados.

Angela María Castro Ruz, nascida em 2 de abril de 1923, era a mais velha dos sete filhos de Ángel Castro Argiz e Lina Ruz González.

Além de seis irmãos ainda vivos, Angela deixa cinco filhos: Tania, Ileana, Mirsa, Mario e José Antonio Fraga Castro, assim como vários netos. EFE

 
Chávez volta a Cuba para radioterapia PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 01 de Abril de 2012 11:51

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, viajou este sábado a Cuba para se submeter à segunda fase de radioterapia para tratar um câncer recorrente que sofre desde o ano passado. Ele está confiante que, depois do tratamento, a enfermidade "não vai voltar".

Foto: Reuters Ampliar

Chávez no Palácio Miraflores, em Caracas, antes da viagem a Cuba neste sábado (31)

"Saio esta tarde de novo para Havana (...) para continuar meu tratamento de radioterapia", disse Chávez no palácio de Miraflores momentos antes de partir a Cuba e antecipou que voltará à Venezuela na próxima quarta ou quinta-feira. "Irei cumprir com um compromisso, com uma batalha que me trouxe a vida, uma nova batalha e peço a Deus e a Cristo Redentor que me ajudem, além do amor do povo, para vencê-la", afirmou em discurso transmitido em cadeia de rádio e televisão.

O presidente, de 57 anos, explicou que se submeterá a sessões de radioterapia durante os próximos cinco dias e depois deverá descansar alguns dias na Venezuela antes de o tratamento, que se prolongará, pelo menos, por mais três semanas. "São cinco sessões de radioterapia (...), durante cinco dias consecutivos e depois, dois dias de repouso, outra sessão e mais outra até a quinta. Com isso, tenho fé de que a ameaça que estava dentro de mim, não vai voltar", comentou.

Chávez não deixou as funções de Estado desde que teve o câncer diagnosticado e despachou de Caracas e Havana, onde se submeteu, há uma semana, à primeira fase da radioterapia. O presidente começou este tratamento depois de ser operado em fevereiro de um segundo tumor cancerígeno na mesma área de onde foi retirado o primeiro, em junho de 2011.

Em outubro, Chávez deu por superada sua enfermidade, depois de ter se submetido a quatro sessões de quimioterapia, mas, quatro meses depois, anunciou a recorrência da doença.O presidente, no poder desde 1999, espera ser reeleito para um terceiro mandato de seis anos nas eleições de 7 de outubro, quando enfrentará o governador do rico estado de Miranda (norte), Henrique Capriles Radonski.

 
Frei Betto: O Papa em Cuba PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 04 de Marzo de 2012 11:45

Rio -  Para desgosto e fracasso das pressões diplomáticas da Casa Branca, o Papa Bento XVI chega a Cuba dia 26 de março. Fica três dias na Ilha, após passar pelo México. A 28 de março, celebra missa na Praça da Revolução, em Havana. Bento XVI celebrará os 400 anos da aparição da Virgem da Caridade do Cobre.

Em 1998, após João Paulo II encerrar sua visita a Cuba, participei de almoço oferecido por Fidel a um grupo de teólogos. Um italiano manifestou indignação pelo fato de o Papa presentear a Virgem da Caridade com uma coroa de ouro.

Fidel reagiu: “A Virgem do Cobre não é apenas padroeira dos católicos de Cuba. É padroeira da nação cubana.”

O papa chega a Cuba no momento em que o país passa por mudanças, sem abandonar o projeto socialista. Há um processo de desestatização, abertura à iniciativa privada, e mais de 2 mil prisioneiros foram soltos nos últimos meses.

Hoje, as relações entre governo e Igreja Católica são excelentes. Vaticano e bispos cubanos são contrários ao bloqueio que os EUA impõem à Ilha...


Frei Betto é escritor, autor de ‘Sinfonia Universal’

 
«InicioPrev631632633634635636637638639640PróximoFin»

Página 633 de 649