A dos días del congreso del partido, Raúl Castro "truena" nada menos que al ministro de las Fuerzas

El Consejo de Estado cubano nombró este jueves como nuevo ministro de ...

Guillermo Lasso aseguró que en su primer día como presidente de Ecuador reducirá los impuestos

Tras imponerse en la segunda vuelta de las elecciones el pasado domingo, ...

La Academia Nacional de Medicina de Venezuela reiteró que Cuba no tiene “verdaderas vacunas” contra

La Academia Nacional de Medicina de Venezuela reiteró este miércoles su alerta ...

Joe Biden anunció la retirada de las tropas estadounidenses de Afganistán: “Es hora de acabar con la

El presidente de los Estados Unidos, Joe Biden, anunció este miércoles la ...

Partidos indicam os 11 senadores titulares da CPI da Pandemia contra Bolsonaro

No Senado, os partidos já apresentaram nomes dos integrantes da CPI da ...

China: Epidemia sob controle e 'diplomacia da vacina': China imuniza sem pressa PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 08 de Marzo de 2021 01:31

A vacinação contra a Covid-19 avança timidamente na China, não apenas porque a população sente que a epidemia está controlada, mas também por causa da capacidade limitada de produção e da "diplomacia da vacina", que desvia muitas doses para o exterior.

Funcionária exibe amostra de possível vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela SinoPharm, em Pequim, na China, em foto de 10 de abril — Foto: Zhang Yuwei/Xinhua via AP

Nesse ritmo, o gigante asiático, na vanguarda do desenvolvimento de vacinas, poderia ver os países desenvolvidos alcançarem imunidade de rebanho e reabrirem suas fronteiras mais cedo, quase uma afronta. "Estou esperando primeiro para ver se há algum efeito colateral", disse à AFP Shirley Shi, chefe de recursos humanos em uma empresa em Pequim. "Além disso, a epidemia está controlada na China e não pretendo viajar para o exterior. Por isso não preciso da vacina imediatamente", explicou.

 

De acordo com uma pesquisa Ipsos, os chineses são os mais propensos a se vacinarem (85%), muito à frente dos americanos (71%), franceses (57%) e russos (42%). Mas, no momento, parecem estar esperando.

"Estou esperando primeiro para ver se há algum efeito colateral", disse à AFP Shirley Shi, chefe de recursos humanos em uma empresa em Pequim. "Além disso, a epidemia está controlada na China e não pretendo viajar para o exterior. Por isso não preciso da vacina imediatamente", explicou.

Com apenas duas mortes desde maio e a vida quase normal, a estratégia chinesa é "muito eficaz e dá às pessoas uma sensação de segurança", aponta Mathieu Duchâtel, diretor do programa da Ásia do Instituto Montaigne de Paris.

A China já administrou mais de 52 milhões de doses, o que a coloca em segundo lugar no mundo, atrás dos Estados Unidos. Mas o país está muito atrás no percentual de doses por 100 habitantes: menos de 4, ante 25 nos Estados Unidos e 33 no Reino Unido.

Situação que pode surpreender em um país conhecido por sua capacidade de mobilização e que desde o ano passado impôs medidas rígidas de confinamento, controle e quarentena.

VÍDEO: primeiro epicentro de Covid-19, Wuhan, na China, volta à vida normal
--:--/--:--

VÍDEO: primeiro epicentro de Covid-19, Wuhan, na China, volta à vida normal

"Grande preocupação"

O ritmo de vacinação é agora uma fonte de "grande preocupação", reconheceu o especialista chinês em doenças infecciosas Zhang Wenhong.

Um artigo publicado em novembro na revista médica The Lancet estimou a porcentagem necessária para a imunidade de rebanho em 60-72%. Gao Fu, diretor da agência de saúde pública da China, estipulou em 70-80% na sexta-feira.

A China espera vacinar 40% de seus 1,4 bilhão de habitantes até o final de junho, de acordo com o especialista em doenças respiratórias Zhong Nanshan, figura importante na luta contra o coronavírus no país.

No verão passado, uma vacinação de "emergência" começou para grupos de risco, como profissionais da saúde, funcionários de empresas estatais e estudantes que viajam para o exterior.

Desde dezembro, municípios, comitês de bairros e empresas vêm gradativamente oferecendo vacinas para pessoas com entre 18 e 59 anos.

"Trabalho em um consultório odontológico, onde há maior risco de contaminação. Usamos máscaras, mas é sempre melhor ter anticorpos", disse à AFP a jovem Zhang Yutong ao deixar um centro de vacinação em Pequim.

Pequim aprovou até agora quatro vacinas, todas chinesas. No entanto, duas delas obtiveram autorização das autoridades apenas no final de fevereiro.

Diplomacia da vacina

Como medida de precaução, pessoas com 60 anos ou mais estão excluídas da vacinação, pois os fabricantes ainda não publicaram dados de ensaios clínicos em idosos.

A capacidade de produção está aumentando e as autoridades esperam chegar a 2 bilhões de doses por ano até o final de 2021.

"No momento, porém, em termos de capacidade, isso não é suficiente para atender às necessidades da China tanto de vacinação (...) quanto de diplomacia de vacinas", afirma Yanzhong Huang, especialista em saúde da consultoria Council on Foreign Relations.

Milhões de vacinas chinesas vão para o exterior, na forma de vendas ou doações, para "ajudar a comunidade internacional a superar a epidemia", dizem as autoridades.

O país também está criando "centros regionais de vacinação" para disponibilizar vacinas feitas na China no exterior e está lançando uma campanha para vacinar chineses no exterior, segundo o ministro das Relações Exteriores, Wang Yi.

De acordo com a mídia estatal, as encomendas e doações no exterior chegam a cerca de 560 milhões de doses. A China diz que oferece vacinas gratuitas para 69 países.

Um sacrifício lucrativo para Pequim?

"Se outros países, graças à vacinação, obtiverem imunidade de rebanho, reabrirem suas fronteiras e voltarem à vida normal" antes do fim da campanha de vacinação na China, "isso poderia dar uma imagem ruim", alerta Yanzhong Huang.

"O senso de urgência que existe no Ocidente (...) não está presente na China", ressalta.

G1 GLOBO


Última actualización el Viernes, 12 de Marzo de 2021 01:26
 

Add comment


Security code
Refresh

Disparados los precios de los alimentos

Indicado en la materia

Por FERNANDO LAVIGNE.- Los precios de los alimentos mantienen su tendencia al alza en Cuba, alcanzando ya en algunos casos un valor cuatro o cinco veces mayor que el que tenían antes del ll...

EE UU debe ayudar a los cubanos como lo

Indicado en la materia

Por MARIO FÉLIX LLEONART BARROSO.- Por los días que se viven en Cuba desde el 1 de enero de 2021, con la puesta en práctica de la denominada "política del Reordenamiento", no...

¿Servirá de algo que Raúl Castro no siga

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.- El VIII Congreso del Partido Comunista de Cuba, a celebrarse del 16 al 19 de abril, será muy importante según muchos analistas porque Raúl Castro dejará su cargo de pr...

¿Por qué hay que solidarizarse con la Un

Indicado en la materia

Por LIEN CARRAZANA.- Este 1 de abril José Daniel Ferrer García y más de 40 miembros de la Unión Patriótica de Cuba (UNPACU) cumplen 13 días en huelga de hambre. La policía política recrudece el ce...

Los Golpes de Estado: de Napoleón Bonapa

Indicado en la materia

Por Santiago Cárdenas.-  Fue Malaparte. Curzio. El escritor europeo más influyente y conocido durante la II Guerra Mundial y en los años de sus terribles secuelas, quien en su libro epónimo, ”L...

PATRIA Y VIDA: ¿De dónde son los cantant

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  ¿Raúl tú quieres saber, de dónde son los cantantes? Son de la Habana y cantan en Miami… Tararea todo cubano, de la isla o el exilio, después ...

Los comunistas no tienen competencia par

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Hay un debate estéril (por inútil) en Cuba, queriendo incorporar herramientas del capitalismo para paliar la hambruna que se avecina, después de un largo período de 62 añ...