'Día triste, tristísimo': un escritor cubano sobre la apertura de una tienda en dólares en su pueblo

El escritor cubano Pedro de Jesús López Acosta lamentó la apertura el ...

Uruguay se diferenció de Argentina ante la OEA: “Se está del lado de los derechos humanos o de la os

Washington Abdala, embajador de Uruguay en la Organización de Estados Americanos (OEA), ...

Venezuela: Un funcionario de EEUU intentó negociar la salida de Maduro con un miembro del régimen

Un funcionario de la administración de Donald Trump intentó negociar la salida ...

El papa Francisco respaldó la unión civil entre personas del mismo sexo

El papa Francisco señaló que respalda las uniones civiles entre personas del ...

Voluntário brasileiro que participava dos testes de Oxford morreu

João Pedro Feitosa, que teve morte confirmada nesta quarta-feira (21) e participava ...

Bolívia realiza sua primeira eleição presidencial sem Evo Morales em mais de 20 anos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Domingo, 18 de Octubre de 2020 03:50

O primeiro turno da eleição nacional na Bolívia acontece neste domingo (18). Os eleitores escolhem quem vai substituir Jeanine Añez, a presidente interina que assumiu em novembro de 2019, após a anulação da votação daquele ano e os distúrbios que levaram Evo Morales a renunciar.

Apoiadores do MAS, partido de Evo Morales, em evento de campanha na cidade de El Alto, em 14 de outubro de 2020 — Foto: David Mercado/Reuters

Essas são as primeiras eleições no país sem a participação de Evo desde 1997. Ele perdeu a corrida eleitoral em 2002, mas concorreu de novo em 2005, quando venceu pela primeira vez. Eleito outras duas vezes, ficou no poder até novembro de 2019 (veja mais abaixo).

 

 

Os principais candidatos são Carlos Mesa, que ficou em segundo na última eleição, e Luis Arce, um aliado de Evo Morales.

A eleição pode ser decidida já no primeiro turno se um dos candidatos tiver pelo menos 40% dos votos válidos e mais de dez pontos percentuais a mais que o segundo colocado.

Se ninguém conseguir esse resultado, haverá um segundo turno no dia 29 de novembro.

Os candidatos

Veja abaixo quem são os três concorrentes que lideram as pesquisas:

Luis Fernando Camacho, Carlos Mesa e Luis Arce, os candidatos à presidência da Bolívia — Foto: Reuters

Luis Fernando Camacho, Carlos Mesa e Luis Arce, os candidatos à presidência da Bolívia — Foto: Reuters

  • Luis Arce é o candidato do MAS, o partido de Evo Morales. Arce foi ministro da economia de Evo –nesse cargo, ele foi responsável por estatização de empresas. Durante a campanha, ele buscou se distanciar dos aspectos mais polêmicos dos anos de Evo –ele afirmou, por exemplo, que não vai interferir em investigações contra ex-ministros do MAS.
  • Carlos Mesa já foi presidente da Bolívia entre 2003 e 2005. Ele concorreu contra Evo nas eleições de 2019 e ficou em segundo. É considerado um centrista.
  • Luis Fernando Camacho é um líder de extrema-direita que liderou protestos contra Evo. Ele é de Santa Cruz, o estado mais populoso.

Há outros candidatos, mas eles pontuam pouco nas pesquisas de intenção de voto.

Arce tem 33,6% da preferência dos eleitores, seguido de Mesa, com 26,8%, de acordo com uma pesquisa da organização Tu Voto Cuenta, feita entre 2 e 5 de outubro. Camacho, em terceiro, tem 13,9% das intenções de voto.

As desistências

Dois candidatos de direita abandonaram a corrida eleitoral: a presidente interina, Jeanine Añez, e Jorge Quiroga, que também já foi o líder do país.

Os dois deixaram as eleições para evitar uma vitória em primeiro turno de Arce, o candidato de Evo. No entanto, nenhum dos dois declarou apoio a Mesa, o segundo colocado.

As pautas das eleições

Alguns assuntos são centrais na atual disputa pelo poder na Bolívia:

  • Evo Morales: O ex-presidente está exilado na Argentina. Ele é investigado por promotores por supostos crimes de naturezas distintas –ele nega todos. Há acusações de corrupção, fraude eleitoral e abuso sexual. Mesa disse que, em seu governo, Evo não ficaria impune por seus crimes (que ainda não foram julgados). Arce, aliado do ex-presidente, sinalizou que facilitará a volta de seu aliado.
O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, durante entrevista coletiva em Buenos Aires, na Argentina, em 2019 — Foto: Reuters/Agustin Marcarian

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, durante entrevista coletiva em Buenos Aires, na Argentina, em 2019 — Foto: Reuters/Agustin Marcarian

  • Política para a coca: A folha de coca é uma cultura tradicional na Bolívia. Nos anos de Evo, os agricultores que plantam a folha de coca tiveram apoio do governo, que acabou com as operações das agências antidrogas dos EUA no país. Os dois candidatos afirmam que é preciso combater as drogas. Arce afirma que as regiões tradicionais de cultivo devem ser protegidas por lei. Mesa afirma que é preciso controlar mais a produção legal.

 

Aplicação de pesticidas em plantação de coca na Bolívia — Foto: William Wroblewski/AFP

Aplicação de pesticidas em plantação de coca na Bolívia — Foto: William Wroblewski/AFP

  • Relação com os EUA: Durante o governo de Evo, a relação entre a Bolívia e os EUA esfriou –não há embaixador americano na Bolívia desde 2008. Arce prometeu “trabalhar com todos”, e Mesa disse que não há razão para não retomar uma relação plena, com embaixadores, com os EUA.
  • Lítio: O mineral é usado e baterias para veículos elétricos. A Bolívia tem grandes reservas do material, e elas foram pouco exploradas. Os dois candidatos sinalizaram que pretendem mudar isso. Mesa já afirmou que pretende transformar o país em um produtor global. Arce disse que quer industrializar o lítio e criar 130 mil empregos diretos e indiretos dessa cadeia.

Entenda as eleições canceladas de 2019

A votação para eleger o próximo presidente é a segunda em um ano. Em 20 de outubro de 2019, Evo concorreu pela quarta vez e ficou em primeiro (Mesa, que agora concorre novamente, ficou em segundo). Como teve mais de 40% dos votos, ele foi considerado vencedor.

O resultado inicial da apuração indicava um segundo turno, mas houve interrupções na contagem. Depois de dias de indefinição, o processo foi retomado e Evo saiu como vencedor.

Começaram, então, protestos contra os resultados.

No dia 10 de novembro de 2019, a Organização dos Estados Americanos (OEA) tornou público um relatório que apontava que as eleições haviam sido fraudadas.

Evo cancelou os resultados e convocou novas eleições imediatamente. Porém, a ação não foi suficiente: pressionado por militares, ele renunciou e, em seguida, fugiu do país. Inicialmente, ele foi para o México e, depois, se exilou na Argentina.

Posteriormente, estudos de grupos de pesquisas dos EUA colocaram em dúvida a alegação da OEA de que as eleições de 2019 foram fraudadas.

O governo interino de Jeanine Añez

Uma senadora de direita, Jeanine Añez, assumiu a presidência de forma interina. Quando ela chegou ao poder, textos antigos dela em redes sociais mostravam que ela havia dito que os aimaras, povos indígenas da Bolívia, praticavam rituais satânicos.

Durante os meses dela no poder, foram abertas investigações de dirigentes do MAS por terrorismo.

Em maio, seu ministro da Saúde foi preso por desviar dinheiro que deveria ser usado para comprar respiradores para os pacientes de Covid-19.

Añez adiou as eleições presidenciais duas vezes.

 

G1 GLOBO

Última actualización el Miércoles, 21 de Octubre de 2020 00:16
 

Add comment


Security code
Refresh

Díaz-Canel, deje la 'poesía' y libere la

Indicado en la materia

Por JUAN ANTONIO BLANCO.- "Cuba salva, sana y siembra futuro".  Con esa melodramática frase Miguel Díaz-Canel logró anotarse un titular del periódico Granma al superar —valga aquello de que siempre se puede má...

Entre el colapso económico y el sanitari

Indicado en la materia

Por RAFAELA CRUZ.-  Aunque quienes anunciaron los cambios en el enfrentamiento al Covid-19 fueron Miguel Díaz-Canel y su primer ministro, Manuel Marrero, esto se decidió en reunión del Buró Político del Partido ...

Hay que abolir la pena de muerte en Cuba

Indicado en la materia

Por YAXIS CIRES DIB.-  La vigencia legal de la pena de muerte no es buena para el presente ni para el futuro de Cuba. La nueva Constitución no proscribió la pena de muerte como sa...

La voluptuosidad del debate

Indicado en la materia

Por JOSÉ PRATS SARIOL.- Detesto a Abel Prieto como persona, desde que éramos estudiantes. No, por suerte, condiscípulos. Pero si polemizara con él sobre la libertad de expresión en Cuba, me limitaría a ...

Sobre el “Debate por la Democracia en Cu

Indicado en la materia

    Por Jorge Hernández Fonseca.- Miriam Celaya cuestiona en su análisis el aspecto ético de los métodos a ser utilizados para conseguir determinados fines, específicamente referentes a las fuertes sanciones que ...

El castrismo en crisis terminal y la opo

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Para una potencia mundial --como lo es Estados Unidos-- cuyos intereses aprecian para Cuba su estabilidad por encima de otra cualidad (incluso la democracia) la negociación con un g...

Elecciones en los Estados Unidos: ¿Trump

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  De manera poco usual en los Estados Unidos, la elección presidencial de este 2020 se ha tornado mucho más antagónicamente excluyente que de costumbre. Los partidarios de ...