“Yo no creo en el comunismo”, afirma diputada panameña hija de un amigo de Fidel Castro

La diputada del Partido Revolucionario Democrático (PRD), Zulay Rodríguez, es consciente de ...

Fernández contra Fernández en Argentina

Argentina adora el fútbol. Y hoy juega su peor partido. El equipo ...

Juan Guaidó: “Maduro fue a la CELAC desesperado por legitimidad pero no tiene ni tendrá reconocimien

El presidente encargado de Venezuela, Juan Guaidó, criticó la presencia del dictador ...

Francia alertó sobre una grave crisis entre aliados y pidió una reflexión de la OTAN tras la conform

Francia acusó el sábado a Australia y a Estados Unidos de mentir ...

O Brasil busca o ‘novo normal’ pós-covid, sob alerta de especialistas para não queimar a largada

Desde o início da pandemia da covid-19 a família da professora Maria ...

Nova lei china de segurança causa indignação em Hong Kong PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 23 de Mayo de 2020 00:44

Os movimentos pró-democracia de Hong Kong prometeram, nesta sexta-feira (22), que retornariam às ruas para protestar contra o projeto de uma nova lei de segurança que consideram uma séria ameaça à autonomia do território chinês.

O legislador pró-democrático Raymond Chan Chi-chuen é carregado por seguranças enquanto protesta contra novas leis de segurança durante a reunião do Comitê da Câmara do Conselho Legislativo em Hong Kong nesta sexta-feira (22) — Foto:   Tyrone Siu/Reuters

O projeto, que visa punir a traição, subversão e sedição, foi apresentado na sessão inaugural do Parlamento chinês em Pequim, realizada nesta sexta-feira. A lei é um reflexo das reiteradas advertências dos líderes comunistas chineses de que não vão tolerar dissidência em Hong Kong, um território semiautônomo que viveu sete meses de protestos pró-democracia em massa no ano passado.

 

 

"É a maior arma nuclear que o Partido Comunista Chinês usou em sua destruição mútua com Hong Kong", disse Jimmy Sham, líder da Frente Civil dos Direitos Humanos, organizador do protesto de um milhão de pessoas que desatou o movimento contestatório no ano passado.

Sham pediu um retorno às ruas, enquanto outros ativistas convocaram protestos pela Internet no domingo.

Segundo Joshua Wong, um dos principais ativistas pró-democracia, a mensagem é clara. "Pequim está tentando silenciar as vozes críticas do povo de Hong Kong pela força e pelo medo", escreveu ele no Twitter.

China deve impor nova lei de segurança à Hong Kong

China deve impor nova lei de segurança à Hong "Ameaça quase existencial"

 

Já a Anistia Internacional alertou que a legislação representa "uma ameaça quase existencial ao Estado de Direito em Hong Kong" e disse que é "um momento sinistro para os direitos humanos no território".

Após o anúncio da lei, a Bolsa de Hong Kong perdeu mais de 5%.

Desde 1997, quando Hong Kong, então colônia britânica, voltou à soberania chinesa, o território desfruta de liberdades muito mais amplas do que na China continental, de acordo com o princípio "um país, dois sistemas".

O poderoso movimento pró-democracia teme, porém, que Pequim corte tais liberdades.

O Partido Comunista Chinês deixou claro nesta sexta-feira que a nova lei tem como objetivo sufocar o movimento pró-democracia.

"Temos que tomar medidas poderosas para prevenir, prender e punir legalmente", disse o vice-presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo (CNP), Wang Chen, referindo-se às forças "antichinesas".

O artigo 23 da Lei Básica de Hong Kong, uma espécie de mini constituição, estabelece que a cidade deve promulgar uma lei que proíba "traição, secessão, sedição e subversão" contra o governo chinês.

Essa cláusula nunca foi implementada.

Manifestantes em Hong Kong protestam contra nova lei de segurança da China nesta sexta (22) — Foto: Tyrone Siu/Reuters

Manifestantes em Hong Kong protestam contra nova lei de segurança da China nesta sexta (22) — Foto: Tyrone Siu/Reuters

Em 2003, uma tentativa da Assembleia Legislativa de Hong Kong de implementar o artigo 23 fracassou depois que um milhão de pessoas saíram às ruas para protestar.

Desta vez, a lei seria aprovada pelo Parlamento nacional chinês e, assim, evitaria passar pela assembleia de Hong Kong.

Wang Chen disse que os prazos para a implementação dessa lei de segurança forçaram os líderes chineses a tomarem partido.

"Mais de 20 anos após o retorno de Hong Kong, existem leis relevantes que ainda precisam se concretizar, devido à sabotagem e à obstrução daqueles que tentam semear distúrbios em Hong Kong e na China como um todo, bem como forças externas hostis", declarou.

A chefe do Executiva de Hong Kong, Carrie Lam, declarou nesta sexta que está pronta para "cooperar totalmente" com Pequim e que seu governo "completará a legislação o mais rápido possível".

Mais tarde, em coletiva de imprensa, Lam prometeu que a lei não afetará o status do território nem sua autonomia.

"Hong Kong continuará sendo uma sociedade muito livre, seguindo vigentes as liberdades de manifestação e de imprensa", garantiu.

O governo americano reagiu ao anúncio da China, e a porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, alertou que a imposição de uma lei seria algo "altamente desestabilizador e receberia forte condenação dos Estados Unidos e da comunidade internacional".

Em uma declaração, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou: "A decisão de contornar os processos legislativos bem estabelecidos de Hong Kong e ignorar a vontade do povo de Hong Kong seria uma sentença de morte para a autonomia prometida pela China".

A União Europeia também se manifestou a esse respeito, exigindo que a China "preserve o alto grau de autonomia" de Hong Kong em uma declaração conjunta assinada pelos 27 Estados membros.

O Reino Unido, juntamente com o Canadá e a Austrália, também expressaram sua "profunda preocupação" com o projeto legislativo.

Foto de junho de 2019 mostra manifestantes marchando pelas ruas de Hong Kong contra o projeto de extradição  — Foto: Athit Perawongmetha/Reuters/Arquivo

Foto de junho de 2019 mostra manifestantes marchando pelas ruas de Hong Kong contra o projeto de extradição — Foto: Athit Perawongmetha/Reuters/Arquivo

 

G1 GLOBO

Última actualización el Viernes, 29 de Mayo de 2020 18:26
 

Add comment


Security code
Refresh

Apertura de fronteras: 'El Gobierno no p

Indicado en la materia

Por JORGE ENRIQUE RODRÍGUEZ.- El Gobierno cubano anunció que las fronteras del país abrirían gradualmente a partir del próximo 15 de noviembre. El principal argumento gubernamental para este paso es la ne...

La parte honesta de la izquierda latinoa

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La lucha continúa, no solamente en las calles y avenidas de toda Latinoamérica, como sobre todo en el terreno ideológico e intelectual para preservar los “valores” que ha...

Nuevo ministerio castrista, un híbrido n

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  Nicolás Maquiavelo sostenía que "gobernar es hacer creer", Joseph Goebbels aseguraba que "una mentira repetida mil veces puede convertirse en verdad", y el filósofo estadounidense William James, ...

Las cinco preguntas de detective sobre l

Indicado en la materia

Por JUAN ANTONIO BLANCO.- El presidente Joe Biden ha apremiado a la comisión que debe emitir un veredicto sobre los ataques acústicos ocurridos en Cuba. Una cascada de artículos periodísticos tienden a subrayar incógnitas y ...

EL FRACASO DEL CASTRO-SOCIALISMO

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.- Ningún estado le dijo a Edison que inventara la lámpara eléctrica, o le “orientó” a Bill Gates que desarrollara programas de computación, y mucho menos le pi...

Las lecciones del Estallido Social en Cu

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La dictadura cubana carece de futuro. A la muerte de Raúl, Díaz Canel será objeto de un merecido “pase a retiro” en un evento, que dependiendo de lo...

Requiem por la “revolución cubana”

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  No me cabe duda que todo joven (o la mayoría de ellos) que se “alzaron en armas” contra la dictadura de Batista, tenía un cierto ideal de ...