La dictadura castrista se ve obligada a liberar a José Daniel Ferrer que ya está en su casa

José Daniel Ferrer, líder de la Unión Patriótica de Cuba (UNPACU) y los ...

El gobierno de Jair Bolsonaro anunció medidas para preservar 12 millones de empleos en Brasil afecta

El Gobierno brasileño anunció el miércoles un programa con el que pretende ...

Juan Guaidó: “Maduro va a decidir su final; si hay que escalar la presión, lo haremos”

Juan Guaidó ofreció este jueves una conferencia digital con medios de comunicación ...

Elliott Abrams confirmó que Nicolás Maduro y Juan Guaidó podrían presentarse a las nuevas elecciones

El gobierno estadounidense indicó este jueves que el dictador Nicolás Maduro podría ...

Equador retira 150 corpos de casas; funerárias enfrentam caos por conta da Covid-19

O governo do Equador informou nesta quarta-feira (31) que removeu 150 cadáveres ...

Após crise, chanceler argentino vem ao Brasil querendo diminuir tensões PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Miércoles, 12 de Febrero de 2020 02:06

O chanceler argentino Felipe Solá estará em Brasília amanhã para participar da primeira reunião bilateral com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo. O objetivo do governo de Alberto Fernández é diminuir as tensões entre os países e reconstruir a relação, deteriorada após a troca farpas entre o argentino e presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido) no ano passado.

O chanceler argentino Felipe Solá - Divulgação

"O objetivo é nos aproximar [do Brasil]", disse Solá a jornalistas brasileiros em Buenos Aires sobre a reunião com Araújo. Segundo ele, a chancelaria argentina não ligará caso "metade dos que votaram" em Fernández pressionem por respostas da Argentina a declarações polêmicas de Bolsonaro. "Não nos importa, pagamos o preço que for. A questão é o fosso com o Brasil não se aprofundar", declarou.

 

 

No final do ano passado, os chanceleres do Brasil e da Argentina chegaram a conversar por teleconferência sobre questões comerciais, mas o primeiro encontro presencial entre os dois deve ter um tom mais político do que econômico, em busca de diminuir as tensões bilaterais.

Os argentinos esperam ser compreendidos e pretendem fazer "um grande esforço" para entender a situação do Brasil.

É o que explica uma fonte do governo argentino, afirmando que, para o encontro com Araújo, Solá quer abordar a necessidade de que os países tenham cuidado com as declarações públicas sobre a política interna do outro, apesar das divergências ideológicas, para que não haja mal-entendidos que possam gerar impacto negativo nas economias. A intenção é a "reconstrução da relação".

No ano passado, Bolsonaro apoiou abertamente a candidatura de Mauricio Macri, adversário de Fernández. O brasileiro ainda ficou irritado com declarações feitas pelo argentino a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro também não participou da cerimônia de posse de Fernández e enviou seu vice, Hamilton Mourão, após a polêmica sobre quem representaria o Brasil na cerimônia.

"Nunca a ideologia tem que ser um obstáculo para o diálogo" Em discurso a representantes do Parlamento do Mercosul (Parlasul) na segunda-feira, Solá afirmou que também existe a possibilidade de um encontro entre ele e Bolsonaro.

E falou sobre "controvérsias dialéticas e baseadas diferentes olhares ideológicos" entre os membros do bloco.

"Todos temos ideologias", expressou, fazendo uma metáfora com mochilas. "O que nunca tem que ser feito é tirar a mochila das costas e colocá-la para frente. Porque se eu a ponho para frente, ele também põe a sua e no meio do nosso diálogo ficam duas mochilas ideológicas. Nunca a ideologia tem que ser um obstáculo para o diálogo", disse sem citar nenhum país de forma explícita.

No encontro com os parlamentares, o chanceler disse também que vai propor a Araújo que o acordo com a União Europeia não fique "no meio da relação" entre os países. A Argentina teme o impacto que o tratado de livre comércio do Mercosul com os europeus possa ter em sua indústria, enquanto o Brasil pressiona pela abertura da economia do país vizinho.

Para Solá, como o acordo ainda precisa da aprovação dos Legislativos dos países sul-americanos e do Parlamento Europeu, processo que pode levar cerca de dois anos, os países deveriam focar na discussão de projetos "mais próximos e concretos".

O chanceler argentino também quer falar com Araújo sobre como o Brasil poderia ajudar a seu país em relação ao Fundo Monetário Internacional -assunto que também quer tratar com o Paraguai e o Uruguai. O governo de Fernández negocia uma reestruturação do pagamento da dívida de US$ 44 bilhões contraída com o organismo durante o governo de Macri. Hoje, uma equipe técnica do FMI chegará a Buenos Aires para reuniões com autoridades.

Entre os possíveis assuntos para negociar com o Brasil, Solá mencionou uma associação entre produtores de energia do sul, pensando no gás de xisto da Argentina e o offshore brasileiro, acordos tecnológicos, como para o uso de 5G, uma estratégia conjunta em relação à China e políticas de fronteiras.

Na reunião de quarta, Venezuela e Bolívia também devem ser assunto. O governo de Fernández fala em "decisões arbitrárias" de Nicolás Maduro, mas mantém a interlocução com Caracas, enquanto o Brasil reconhece o opositor Juan Guaidó como presidente interino. Já Argentina concedeu refúgio ao ex-presidente Evo Morales, enquanto o governo Bolsonaro reconhece Jeanine Añez como presidente interina da Bolivia.


UOL.COM.BR

Última actualización el Domingo, 16 de Febrero de 2020 02:07
 

Add comment


Security code
Refresh

¡Si quieren a sus viejos, no vayan a Cub

Indicado en la materia

Por MABEL CUESTA.-  El pasado lunes 9 de marzo, ya se anunciaban en España más de 1.200 casos positivos de coronavirus (Covid-19) y de ellos 30 habían fallecido. En Italia, ese mismo dí...

¿Dónde está metido Raúl Castro?

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  Si el general Raúl Castro por fin da la cara hoy o mañana, o la dio ayer para al fin ponerse al frente y enfrentar como dictador que es...

La dignidad insumisa de Luis Manuel Oter

Indicado en la materia

Por JUAN ANTONIO BLANCO.-  a dictadura no ha liberado a Luis Manuel Otero Alcántara. En realidad se ha liberado de él. Al  menos, eso intenta ahora, al abrir los barrotes de la ce...

Fidel Castro en la era de Lezama Lima

Indicado en la materia

Por CARLOS ALBERTO MONTANER.- En Miami, desde hace algunos años, existe un notable festival de cine auspiciado por el Miami Dade College. Tiene una creciente importancia. El domingo 8 de marzo ex...

“Clandestinos” vs. José Martí

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.- Existen un grupo de frases, supuestamente escritas por José Martí en una tal “carta inconclusa a su amigo Manuel Mercado”, donde se exponen conceptos anti-norteamericanos. Esa ca...

“Clandestinos”: El “al pan, pan y al vin

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Por primera vez en 28 años de exilio, me he sentido tratado por los formadores de opinión exiliados, como me trataban los formadores de opinión castristas en ...

“Clandestinos” Un análisis

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Como golpes transgresores y públicos, las acciones de Clandestinos son como bocanadas de aire puro y fresco que la sociedad cubana de dentro de la isla aporta la...