La dictadura cubana traslada a opositor en huelga de hambre a celda de castigo

Las autoridades penitenciarias llevaron a celda de castigo al preso político Tomás Núñez Magdariaga ...

Un juez imputa a Cristina Fernández como jefa de una asociación ilícita que cobraba sobornos

La expresidenta argentina Cristina Fernández de Kirchner fue procesada este lunes por el ...

Mientras en Venezuela pasan hambre, Nicolás Maduro y Cilia Flores cenan de lujo en Estambul

Este lunes salieron a la luz a través de las redes sociales ...

Trump anuncia nuevos aranceles a productos chinos valorados en 200.000 millones de dólares

Donald Trump pasa de disparar bolas de goma a utilizar munición real ...

Alckmin e Ciro pregam voto útil já no 1º turno

Com as pesquisas indicando uma consolidação de votos a favor de Jair ...

Palocci bota boca no trombão e acussa Lula e o PT PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 07 de Septiembre de 2017 13:11

Devastador o depoimento prestado ontem ao juiz Sérgio Moro pelo ex-ministro Antonio Palocci. Devastador para o PT, devastador para para as pretensões eleitorais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018 e devastador para quem ainda insiste em defender o indefensável.

Resultado de imagen para antonio Palocci lula da silva
Palocci é o primeiro (e mais graduado) cacique petista a romper a "omertà", o pacto de silêncio mafioso que protege Lula e tenta incensá-lo como vítima da Justiça. Ao contrário de petistas como o ex-tesoureiro João Vaccari ou o ex-ministro José Dirceu, Palocci resolveu negociar um acordo de delação premiada. Por isso, decidiu falar.
Antigo homem da confiança de Lula, Palocci não é apenas um oportunista que se aproveita da oferta do Ministério Público. Conhece o PT por dentro e participa de todos os esquemas petistas pelo menos desde que era prefeito de Ribeirão Preto. Coordenou campanhas presidenciais de Lula e Dilma Rousseff, foi ministro de ambos e atuou como ponte do partido com empresários e banqueiros. Sabe do que fala.

Seu depoimento dificulta qualquer estratégia de campanha que Lula possa adotar caso se lance candidato em 2018. Inevitável que as palavras mais comprometedoras de seu ex-aliado alimentem o horário eleitoral na TV. Como contra-argumentar com aquele que, até outro dia, fazia parte do mais íntimo círculo do poder petista?

As revelações de Palocci se desdobram em duas frentes. Na primeira, ele corrobora toda a narrativa que emergiu das investigações da Operação Lava Jato a respeito da relação entre a Odebrecht e os governos do PT. Questionado por Moro na denúncia sobre o terreno e a construção do Instituto Lula, foi peremptório:

– Os fatos narrados na denúncia dizem respeito apenas a um capítulo de um livro um pouco maior do relacionamento da empresa em questão, da Odebrecht, com o governo do ex-presidente Lula, com o governo da ex-presidente Dilma, que foi uma relação bastante intensa, com bastantes vantagens à empresa, propinas pagas pela Odebrecht para agentes públicos, em forma de doação de campanha, em forma de benefícios pessoais, de caixa um, caixa dois…

Ele relatou um episódio para confirmar tal afirmação. “Quando Dilma foi tomar posse, a empresa entrou num certo pânico”, disse. Havia receio de que a nova presidente não mantivesse com a Odebrecht a mesma relação que Lula, pois, quando ministra da Casa Civil, ela impusera obstáculos a obras da Odebrecht.

“Foi nesse momento que o doutor Emílio Odebrecht fez um espécie de pacto de sangue com o presidente Lula”, afirmou Palocci. “Ele procurou Lula nos últimos dias de seu mandato e levou um pacote de propinas.” O pacote envolvia R$ 300 milhões para o PT, o terreno para a construção do Instituto Lula, a reforma no sítio de Atibaia e o aluguel de um apartamento – principais causas dos processos que Lula enfrenta na Operação Lava Jato.

No final, apesar de Emílio não manter com Dilma a mesma amizade que mantinha com Lula, seus receios se revelaram infundados. Só que, durante todo o governo Dilma, era Marcelo Odebrecht, e não o pai, quem negociava com ela em nome da família.

Na segunda frente de revelações, Palocci conta que ele próprio alertou Lula em 2007 para o grau constrangedor de corrupção nas diretorias da Petrobras loteadas entre o PT e os partidos aliados. No início, segundo ele, Lula se mostrou preocupado. Com a descoberta do pré-sal, contudo, viu na empresa uma oportunidade de financiar o projeto petista de permanência no poder.

“O pré-sal pôs o governo numa atitude frenética em relação à Petrobras, e esses assuntos de ilícitos de diretores ficaram para terceiro plano. As coisas continuaram do jeito que eram”, disse Palocci. Narrou uma reunião de 2010, em que Lula chamou ele, Dilma e o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli ao Palácio da Alvorada. Contou que Lula exortou todos a usar os contratos de sondas da Petrobras para financiar a campanha petista. Gabrielli, segundo Palocci, se recusou, ao menos naquele momento.

Palocci enfim reconheceu seu apelido nas planilhas da Odebrecht, o “italiano”. “O Marcelo nunca me chamou de ‘italiano’, mas acho que nessa planilha, quando ele coloca ‘italiano’, diz respeito a mim. Não sei por que escolheu essa alcunha”, afirmou Palocci.

Ele também insinuou poder revelar os planos usados por Lula para tentar obstruir a Lava Jato. “Eu me reuni com o ex-presidente Lula no sentido de buscar, vamos dizer, criar obstáculos à evolução da Lava Jato. Posso citar casos.” Moro preferiu não prosseguir nessa linha de interrogatório. Já condenado a 12 anos, 2 meses e 20 dias num processo relativo a propinas num estaleiro construído pela Odebrecht, Palocci terá na certa outras oportunidades de contar os detalhes.

 

Add comment


Security code
Refresh

Frei Betto y la debacle de la izquierda

Indicado en la materia

  Por LUIS CINO ÁLVAREZ.-  LA HABANA, Cuba.- Al fin se escucha una voz en los medios oficialistas cubanos que no culpa de la actual debacle de la izquierda en América Latina ...

¿'Más democracia', o democracia sin más?

Indicado en la materia

Por Dimas Castellanos.-  Fulgencio Batista fue derrocado hace seis décadas. A los cubanos de hoy, inmersos en la sobrevivencia, poco les importa ese hecho. Sin embargo, el periodista oficialista Iroel Sánchez usó un...

El poco conocido Gulag del Caribe

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  Cuando Alexander Solzhenitsyn, cinco años después de la muerte de Stalin en 1953, comenzó a escribir en la clandestinidad su monumental Archipiélago Gulag, no se imaginó que gracias a esa ob...

Llegó la hora de defender las libertades

Indicado en la materia

Por Carlos Alberto Montaner.- El Tribunal Supremo de Justicia (TSJ) venezolano condenó a 18 años de cárcel a Nicolás Maduro. Magnífico. Tendrá que cumplirlos en Ramo Verde. Excelente. Allí recluyó a Le...

La reforma constitucional cubana es “el

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Una reforma constitucional se hace normalmente para mejorar las relaciones en la sociedad, hacerla más eficiente, efectiva y mejorar el desarrollo de toda la nación. Nunca debe ha...

Cuba más próxima de la Economía de Merca

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La reciente visita a Cuba del secretario general del partido comunista de Viet Nam, así como sus declaraciones públicas en sentido de “la posibilidad de preservar el ...

Cuba: La era post Raúl

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Raúl deja para su sucesor –muy probablemente Díaz Canel-- todos los problemas administrativos del gobierno, incluyendo la economía; y es precisamente esa economía lo que el jefe ...