Un año después,¿cómo podría Trump seguir fortaleciendo su política hacia Cuba?

A un año del anuncio del presidente estadounidense en Miami sobre su de...

Vargas Llosa muestra su apoyo a Duque para reforzar la democracia en Colombia

El escritor peruano Mario Vargas Llosa, ganador del premio Nobel en 2010, ...

Investigarán las muertes en las protestas en Nicaragua y debatirán adelantar comicios

Nicaragua aceptó este sábado invitar de manera "inmediata" a la OEA, la ...

China responde a EE UU con nuevos aranceles a productos agrícolas

China ha devuelto el golpe, como amenazaba. Tras el nuevo anuncio de ...

Ao menos 17 mortos em Caracas após bomba de gás lacrimogêneo explodir em clube

Ao menos 17 pessoas morreram, entre elas oito menores de idade, na ...

Mais de 98% dos eleitores rejeitam proposta de Maduro em plebiscito, diz oposição PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Lunes, 17 de Julio de 2017 10:57

Os resultados da consulta popular informal realizada neste domingo (16) na Venezuela mostram que 98,4% dos participantes (6.387.854 pessoas) que votaram rejeitam a formação da Assembleia Nacional Constituinte promovida pelo presidente, Nicolás Maduro, para mudar a Constituição. A informação é do reitor da Universidade Pedagógica Experimental Libertador (UPEL), Raúl López.

Mulher vota em plebiscito convocado pela oposição contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, neste domingo (16)  (Foto: Juan Barreto / AFP )

Cerca de 95% das urnas foram apuradas. Um total de 7.186.170 venezuelanos participaram da votação. De todos os votos, 6.492.381 foram no país e 693.789 no exterior. Foram cerca de 2 mil urnas com zonas eleitorais improvisadas em mais de 80 países.

 

Os eleitores responderam a três perguntas: se rejeitam a assembleia constitucional, se eles querem que as forças armadas defendam a constituição existente e se querem a realização de eleições antes do mandato de Maduro, segundo a Reuters.

A oposição exige que Maduro convoque eleições presidenciais antes do fim de seu mandato. O chavista convocou para 30 de julho a eleição dos 545 membros da Assembleia Constituinte, que poderá reescrever a Constituição e dissolver as instituições do Estado. Segundo o instituto de pesquisa Datanálisis, 70% dos venezuelanos rejeitam a Constituinte.

Nas últimas eleições, as parlamentares de 2015, 7,7 milhões de pessoas votaram na oposição e permitiram que ela rompesse a supremacia chavista no Congresso.

Maduro considera o plebiscito ilegal e defende que apenas o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) pode realizar processos desse tipo. Em paralelo, o CNE fez neste domingo uma simulação da votação da Constituinte.

Reações

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Julio Borges, disse que o fato de que a oposição tenha conseguido quase sete milhões de votos a favor da sua proposta no plebiscito contra o governo deixa o presidente do país, Nicolás Maduro, praticamente "revogado".

"Com os votos do povo venezuelano matematicamente Nicolás Maduro está revogado no dia de hoje, esse era o medo que tinha do plebiscito revogatório e por isso se impediu, por isso o Governo não quer fazer eleições nunca mais", disse Borges após conhecer os resultados eleitorais.

O opositor assegurou que a consulta popular informal aconteceu "com total beleza e confiança" e que os venezuelanos contaram com menos centros de votação do que em qualquer outra disputa nacional.

"No entanto, o povo superou todos os obstáculos, não somente o de haver menos lugares para votar, mas também superou o medo, superou a violência, superou as ameaças do Governo aos funcionários públicos, às pessoas que recebem programas sociais", prosseguiu Borges.

Mortes no plesbicito

Polícia venezuelana faz primeiras investigações no local do crime, em Caracas (Foto: Reuters)

O plebiscito informal foi marcado pela violência e terminou com a morte de duas pessoas. Segundo fontes da oposição, o ataque foi realizado por grupos paramilitares governistas em Catia, subúrbio ocidental da capital venezuelana Caracas, onde milhares de pessoas participavam do evento da oposição.

O Ministério Público venezuelano confirmou a morte de uma pessoa. No Twitter, a procuradoria afirmou que investiga a morte e os feridos causados pela "situação irregular".

A vítima foi identificada como a enfermeira Xiomara Scott, de 61 anos. Segundo o chefe da campanha que organizou o plebiscito, Carlos Ocariz, grupos pró-governo atacaram o lugar com tiros e bombas de gás lacrimogêneo. Mais de 300 pessoas se protegeram de confusão dentro da igreja de El Carmen.

O país enfrenta uma série de protestos nos últimos quatro meses, que resultaram na morte de quase 100 pessoas desde então.


GLOBO

Última actualización el Miércoles, 19 de Julio de 2017 11:05
 

Add comment


Security code
Refresh

El Fracaso Socialista: ¿Zafra de 2018, o

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  Imaginemos que los países en desarrollo que dependen económicamente de la exportación de materias primas registran hoy volúmenes de producción de sus principales rubros exportables más bajos ...

La Hipocresía de Macri con los cubanos

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  ¿Cuáles son las causas reales por las que Macri envía su segundo hombre a la Habana? Podríamos conjeturar que quiere ponerse de acuerdo con la dictadura cubana pa...

Las causas del desastre aéreo son políti

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  Cuando se comenzaron a divulgar los detalles del pésimo estado técnico del Boeing 737 que se estrelló en La Habana y causó 112 muertes, el ministro de Transporte de...

LA RESURRECCION DE LA HELMS-BURTON; PERO

Indicado en la materia

Por Santiago Cárdenas.- Sorprendentemente  Helms y Burton han vuelto a la vida. A la vida política.La resurrección no fue a los tres días; sino a los veintiún años .  Pero, “es ...

20 de Mayo de 2016: El Suicidio del chav

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La contrainteligencia cubana fue la vencedora en las elecciones venezolanas. Maduro, como hasta ahora, jerarquizará a la Habana sobre las necesidades del sufrido pueblo venezolano y en ...

El Gradualismo de Macri y la crisis de l

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La promesa democrática con economía de mercado que nos ha ofrecido los últimos dos años y medio Mauricio Macri en la presidencia de la Argentina frente al ...

20 de Mayo 2018: El chavismo ante su fut

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Si el fraude electoral, como todo indica, apunta a sembrar a Maduro como “presidente electo”, toda la cúpula chavista se suicidaría, en función de que el régimen ...