La protesta abortada, Por YOANI SÁNCHEZ,

Iba a ser un martes como cualquier otro en medio de las ...

Luego de que se descubrieran irregularidades en su currículum, Carlos Decotelli anunció que no asumi

Carlos Decotelli anunció que no asumirá como ministro de Educación de Brasil, ...

Juan Guaidó condenó la arremetida de Maduro contra la Unión Europea y alertó sobre su “escalada haci

El presidente interino de Venezuela, Juan Guaidó, condenó la “arremetida” del dictador ...

EUA solicitó al Consejo de Seguridad de la ONU extender el embargo de armas al régimen de Irán: “Se

Estados Unidos solicitó este martes al Consejo de Seguridad de la ONU ...

TSE reabre investigação em ações que pedem cassação da chapa de Bolsonaro

Por 4 votos a 3, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu reabrir ...

Dilma diz que receberá líderes de protestos e propõe pacto para melhorar transporte, educação e saúde PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Sábado, 22 de Junio de 2013 08:50

Em pronunciamento de dez minutos em cadeia nacional de rádio e televisão nesta sexta-feira (21), a presidente Dilma Rousseff afirmou que irá convidar governadores e prefeitos de todo o país para "somar esforços" e discutir um pacto para a melhoria dos serviços públicos nas áreas de saúde, educação e transporte.

"Vou convidar os governadores e os prefeitos das principais cidades do país para grande pacto em torno da melhoria dos serviços públicos." O pacto, segundo a presidente, terá três focos: um Plano Nacional de Mobilidade Urbana para privilegiar o transporte coletivo; a destinação de 100% dos royalties do petróleo para a educação e trazer "de imediato milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde)".

A reivindicação da redução das tarifas do transporte coletivo foi o gatilho da onda de protestos que ocorre no país há duas semanas.


Na área de educação, Dilma cobrou do Congresso a aprovação do projeto que destina 100% dos royalties do pré-sal para a educação. Em pronunciamento oficial anterior no Dia do Trabalho a presidente havia feito cobrança semelhante. A proposta também é defendida pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

A contratação de médicos estrangeiros vem sendo defendida pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. "Precisamos tomar decisões concretas de curto e médio prazo. Interessa ao Brasil trazer médicos qualificados e bem formados, não existe nenhum preconceito em relação à origem desses médicos", disse recentemente em audiência na Câmara dos Deputados.

O pronunciamento de hoje da presidente acontece após uma série de reuniões com ministros no Palácio do Planalto nesta sexta. A fala foi gravada durante a tarde e teve duração de dez minutos (clique aqui para ler a íntegra do pronunciamento) .

Protestos

No início do pronunciamento, a presidente comentou a onda de protestos que levou, só ontem, mais de 1 milhão de pessoas às ruas do país. "Se aproveitarmos bem o impulso desta nova energia política, poderemos fazer, melhor e mais rápido, muita coisa que o Brasil ainda não conseguiu realizar por causa de limitações políticas e econômicas."

Dilma criticou, no entanto, a violência de "minorias autoritárias" em alguns dos protestos. "O governo e a sociedade não podem aceitar que uma minoria violenta e autoritária destrua o patrimônio público e privado, ataque templos, incendeie carros, apedreje ônibus e tente levar o caos aos nossos principais centros urbanos."

Ela pediu que os manifestantes façam seus protestos de maneira "pacífica e ordeira". "Os manifestantes têm o direito e a liberdade de questionar e criticar tudo. (...) Mas precisam fazer isso de forma pacífica e ordeira."

"Não podemos conviver com essa violência que envergonha o Brasil. Asseguro a vocês: vamos manter a ordem."

Corrupção e defesa dos partidos

Dilma defendeu a existência de partidos políticos e admitiu que o Brasil precisa de formas eficazes de combater a corrupção.

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha feita entre os manifestantes de São Paulo, a corrupção foi o tema mais citado como motivo que os levou ao protesto de quinta-feira.

"Precisamos muito, mas muito mesmo, de formas mais eficazes de combate à corrupção. A Lei de Acesso à Informação, sancionada no meu governo, deve ser ampliada para todos os poderes da República e instâncias federativas. Ela é um poderoso instrumento do cidadão para fiscalizar o uso correto do dinheiro público. Aliás, a melhor forma de combater a corrupção é com transparência e rigor", enfatizou Dilma.

Copa do Mundo

A presidente também usou parte do pronunciamento para falar sobre a Copa do Mundo de 2014, um dos focos de protesto dos manifestantes.

"Em relação à Copa, quero esclarecer que o dinheiro do governo federal, gasto com arenas, é fruto de financiamento que será devidamente pago pelas empresas e governos que estão explorando estes estádios."

"Jamais permitiria que esses recursos saíssem do orçamento público federal, prejudicando setores prioritários como a saúde e a educação."

Ela pediu que os brasileiros sejam hospitaleiros com os visitantes que devem vir ao país para o evento. "Precisamos dar aos nossos povos irmãos a mesma acolhida generosa que recebemos deles. Respeito, carinho e alegria. É assim que devemos tratar os nossos hóspedes."

Em discurso, Dilma elogia manifestantes

  • Em discurso em cerimônia no Planalto na terça (18), a presidente disse que o Brasil "acordou mais forte" depois dos protestos

Nota e discurso

Além do pronunciamento de hoje, a presidente havia se manifestado em público outras duas vezes sobre os protestos.

A primeira foi em nota oficial na segunda-feira (17), em que disse apoiar as manifestações, desde que pacíficas.

Em seguida, na última terça (18), Dilma disse, em discurso lido em cerimônia no Palácio do Planalto, que o Brasil "acordou mais forte" depois dos protestos. elogiou os manifestantes, a polícia, por não ter cometido excessos, e fez um autoelogio ao seu governo, que, segundo a presidente, "está ouvindo essas vozes por mudanças".

No pronunciamento de hoje, Dilma repetiu trechos do discurso, como a parte em que falou que a sua geração batalhou muito pelo direito de se manifestar.

Dilma também voltou a dizer que seu governo está ouvindo a população. "Eu quero repetir que o meu governo está ouvindo as vozes democráticas que pedem mudança. Eu quero dizer a vocês que foram, pacificamente, às ruas: Eu estou ouvindo vocês! E não vou transigir com a violência e a arruaça. Será sempre em paz, com liberdade e democracia que vamos continuar construindo juntos este nosso grande país."

Tomado de UOL.COM.BR

 

Add comment


Security code
Refresh

Dejar a la Revolución a cargo de todo

Indicado en la materia

Por GERÓNIMO GARCÍA.-  La reciente polémica provocada por la cantante Danay Suárez, al compartir en Facebook un post en el que se comparaban los argumentos de los pedófilos para explicar sus prácticas, co...

Cuba en compás de espera

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En Cuba hoy hay dos compases de espera. El compás de espera de Raúl y los “viejos”, esperando que Trump pierda las elecciones, y el compás de es...

Anonimato y cobardía, los perfiles de la

Indicado en la materia

Por YOANI SÁNCHEZ.- Pueden llamarse como un personaje de telenovela, como cualquier hijo de vecino o con un epíteto bélico, pero los perfiles anónimos de la Seguridad del Estado en internet ...

Cuba: el régimen le está inyectando vapo

Indicado en la materia

Por ROBERTO ÁLVAREZ QUIÑONES.-  El general Raúl Castro y la cúpula dictatorial que él encabeza, en vez de tomar urgentes medidas aperturistas para solucionar o aliviar la gravísima crisis socioeconómica que asfixia a los ...

El Black Lives Matter ¿contra los cubano

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Los cubanos respetamos al movimiento negro norteamericano. Pero sepan que las injusticias cometidas contra Uds., de ninguna manera pueden significar que vengan a Miami a cometer injusticias cont...

Crisis política en Brasil: ¿Hay peligro

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  La respuesta a la pregunta sobre el peligro de la izquierda en las próximas elecciones queda respondida, no hay peligro. La izquierda en Brasil es fuerte, pero no...

La economía cubana (y el castrismo) en c

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Demás estaría decir que es precisamente ahora el momento de mayor debilidad del castrismo en los más de sesenta años de opresión. Cualquier chispa podría hacer saltar po...