Decomisan en Panamá cargamento de cocaína en un contenedor procedente de Cuba

Unidades del Servicio Nacional Aeronaval (Senan) de Panamá decomisaron un cargamento de ...

Cristina Kirchner sorprende y se lanza como candidata, pero de viceporesidenta, con Alberto Fernánde

Cristina Kirchner anunció este sábado a través de un video que se ...

Maduro dice que en Noruega hay reuniones para buscar diálogos

El presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, confirmó este viernes que su gobierno ...

Tensión con Irán El portaaviones de Estados Unidos en el Golfo despierta recuerdos dolorosos en Ira

"¿Habrá guerra?". En plena escalada de la tensión entre Teherán y Washington, ...

BOLSONARO DIVULGA TEXTO GRAVE EM QUE INSINUA RENÚNCIA OU GOLPE

Jair Bolsonaro distribuiu na manhã desta sexta-feira em grupos de WhatsApp um ...

Ministério da Cidadania anuncia reformulação na Lei Rouanet; veja o que muda PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 23 de Abril de 2019 21:35

O Ministério da Cidadania anunciou, nesta segunda-feira (22), novas regras para a Lei de Incentivo à Cultura, conhecida popularmente como Lei Rouanet. As mudanças incluem o abandono desse segundo nome na comunicação oficial do governo.

Resultado de imagem para Ministério da Cidadania anuncia reformulação na Lei Rouanet; veja o que muda

A lei, criada em 1991, autoriza produtores culturais a buscarem investimento privado para financiar iniciativas culturais. Em troca, as empresas podem abater até 100% do valor investido no Imposto de Renda. A Lei Rouanet é, atualmente, o principal mecanismo de incentivo à cultura do Brasil (entenda como funciona a aplicação de recursos ao final desta reportagem).

 

 

As mudanças foram anunciadas pelo ministro Osmar Terra em um vídeo, divulgado nas redes sociais da pasta, e devem ser publicadas em uma instrução normativa. Até as 19h30 desta segunda, o texto ainda não havia sido divulgado.

O que muda?

A principal alteração é a queda do valor máximo por projeto inscrito, dos atuais R$ 60 milhões para R$ 1 milhão.

O valor máximo por empresa do setor cultural, que também era de R$ 60 milhões, passa para R$ 10 milhões. Isso significa que, por ano, uma única empresa não pode ultrapassar os R$ 10 milhões captados no somatório de todos os seus projetos.

Essas regras não se aplicam a:

  • Projetos de restauração de patrimônio tombado;
  • construção de teatros e cinemas em cidades pequenas;
  • planos anuais de entidades sem fins lucrativos, "como museus e orquestras".

Projetos classificados como “festas populares” terão um limite maior, de R$ 6 milhões. O vídeo divulgado pelo ministério cita o Festival Amazonas de Ópera, o Natal Luz, o Festival Folclórico de Parintins e feiras de livros, mas não deixa claro qual o critério para essa classificação.

"Com isso, vamos enfrentar a concentração de recursos nas mãos de poucos. Com o mesmo dinheiro, só que melhor distribuído, vamos ter muito mais atividades culturais e artistas apoiados, dando oportunidade para os novos talentos”, diz Osmar Terra no vídeo.

Mais mudanças

Pelas novas regras, cada projeto beneficiado pela Lei de Incentivo à Cultura terá de reservar entre 20% e 40% de ingressos gratuitos. Eles serão distribuídos por entidades e serviços de assistência social a famílias de baixa renda, de preferência, com Cadastro Único.

A lei atual prevê 30% de ingressos gratuitos, mas apenas 10% com destinação social. Os outros 20% são para ações promocionais e de patrocinadores.

"Nós queremos que a população mais pobre vá ao teatro, ao cinema e às mais diversas atividades culturais. Por isso, quem usar recursos da Lei de Incentivo à Cultura vai precisar oferecer de 20% a 40% dos ingressos de graça", diz Terra.

As regras em vigor também separam 20% dos ingressos para “preços populares”. Pelo que já foi anunciado, o percentual será mantido, mas o preço máximo desse lote cairá de R$ 75 para R$ 50.

No vídeo, Osmar Terra afirma que os produtores serão obrigados a promover “ações educativas” nas escolas ou na comunidade, em parceria com as prefeituras, e que haverá editais específicos para projetos realizados integralmente fora do eixo Rio-São Paulo. Não há detalhamento dessas medidas.

Entenda a lei

Os projetos contemplados pelo sistema da Lei de Incentivo à Cultura não são financiados com recursos públicos do governo, e sim com dinheiro privado de empresas interessadas em apoiar os projetos. Funciona assim:

 

  • O governo federal analisa os projetos para decidir quais poderão ser contemplados pela lei;
  • ao ter seu projeto aprovado pelo ministério, o produtor cultural sai em busca de patrocínio para obter os recursos;
  • pessoas físicas ou empresas podem decidir patrocinar o projeto. Em troca, elas recebem possibilidade de abatimento no Imposto de Renda de parte ou do total do valor aplicado no projeto.
G1 GLOBO
Última actualización el Domingo, 28 de Abril de 2019 12:53
 

Add comment


Security code
Refresh

El fallido modelo económico cubano

Indicado en la materia

Por DIMAS CASTELLANOS.-  El hecho La inviabilidad histórica de la economía centralizada se confirma una vez más con la incapacidad demostrada del modelo cubano. Las subvenciones soviéticas —65.000 millones de dólares en 30 años—, tr...

Ciudadanía y conectividad en Cuba, una m

Indicado en la materia

Por YOANI SÁNCHEZ.- Si la víspera de abrir el acceso a internet desde los móviles, el oficialismo hubiera escrito en un papel sus cinco mayores miedos por dar mayor conectividad a lo...

Josep Borrell y el Estado 'bugarrónico'

Indicado en la materia

Por NÉSTOR DÍAZ DE VILLEGAS.-  Las categorías más certeras y los análisis más brillantes se encuentran garabateados —quizás hasta despilfarrados— en los oscuros callejones de la sección de comentarios de los di...

El fracaso del alzamiento en Venezuela y

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Cuba sale de esta crisis siendo la principal ganadora, sin que necesariamente tenga que dejar sus intereses de lado (petróleo) siempre que, durante las negociaciones para retirar to...

La rebelión del 30 de Abril en Venezuela

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Los cubanos sabemos que la principal arma de los servicios secretos de la isla es la infiltración en las huestes enemigas. Por otro lado, es la contrainteligencia cu...

Cuba, Venezuela y Nicaragua 2019: Libert

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Se ha configurado una trilogía “del mal” triangulando a Cuba, Venezuela y Nicaragua como los países donde es necesario actuar democráticamente. El heroísmo de los pueblos nicaragüense y ...

2019, El problema venezolano: Cuba “empu

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En las condiciones actuales, no es difícil percatarse que re-direccionando los golpes (militares, sanciones, conversaciones bajo la mesa, etc.) asestarlos contra la Cuba castrista, porque resultaría en ...